Show simple item record

dc.contributor.advisorVasconcelos, José Luiz Moraes [UNESP]
dc.contributor.authorMorelli, Paula [UNESP]
dc.date.accessioned2015-03-23T15:23:45Z
dc.date.available2015-03-23T15:23:45Z
dc.date.issued2009
dc.identifier.citationMORELLI, Paula. Estresse término na reprodução de vacas leiteiras. 2009. 1 CD-ROM. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Medicina Veterinária) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, 2009.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/120085
dc.description.abstractClimate change in tropical countries, like Brazil, causes major problems in dairy production due to an increase of heat stress effects. In recent years, milk production in Brazil increased 36.07%. The Southeast region remains a leader in production with herds of high producing Holstein cattle (mostly), which is more susceptible to heat stress. Thermal stress decreases fertility in direct and indirect ways. Conception rates are reduced of 40-60% during cooler months of the year and 10-20% in the warmer months. Negative effects of heat stress involve changes in reproductive hormones, follicular development, oocytes, and embryos, and decreased dry matter intake. Several studies discuss change in reproductive hormones, such as reduction in plasma concentration of GnRH, LH, and oestradiol, which lead to decreased detection of estrus and ovulation. Various methods are being studied to bypass these negative effects and increase the fertility of dairy cows under heat stress. Cooling systems are the most advantageous and can be associated with technologies such as ET and TAIen
dc.description.abstractCom as mudanças climáticas, os países tropicais, como o Brasil, enfrentarão maiores problemas na produção leiteira, em função do estresse térmico acentuado. Nos últimos anos houve um aumento de 36,07% na produção leiteira do Brasil, onde a região Sudeste permanece como a de maior produção leiteira do país e apresenta maiores rebanhos de alta aptidão leiteira (holandesas), que são mais susceptíveis ao estresse térmico. O estresse térmico leva a quedas na fertilidade de maneiras diretas e indiretas, reduzindo a taxa de concepção de 40-60% nos meses mais frios do ano para 10-20% nos meses mais quentes. Os efeitos negativos do estresse térmico envolvem alterações nos hormônios reprodutivos, no desenvolvimento dos folículos, oócitos e embrião, além da queda na ingestão de matéria seca. Estudos observaram mudanças nos hormônios reprodutivos, como redução na concentração plasmática de GnRH, LH e estradiol, o que resulta em uma baixa taxa de ovulação e detecção de estro. Diversas maneiras vêm sendo estudas para amenizar tais efeitos e aumentar a fertilidade de vacas leiteiras sob estresse térmico, onde o resfriamento da vaca ainda é a melhor solução e pode ser associada a tecnologias como a TE e IATFpt
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.sourceAleph
dc.subjectBovino - Fecundidadept
dc.subjectBovino de leite - Reproduçãopt
dc.subjectEstresse térmicopt
dc.subjectDairy cows - Fertilityen
dc.titleEstresse término na reprodução de vacas leiteiraspt
dc.typeTrabalho de conclusão de curso
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Botucatupt
dc.identifier.aleph000613696
dc.identifier.filemorelli_p_tcc_bot.pdf
dc.identifier.lattes1069922096621313
unesp.undergraduateMedicina Veterinária - FMVZpt
unesp.author.lattes1069922096621313
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record