Show simple item record

dc.contributor.authorJusto, Carmem Sílvia Sanches [UNESP]
dc.date.accessioned2017-01-18T15:22:12Z
dc.date.available2017-01-18T15:22:12Z
dc.date.issued2001
dc.identifierhttp://proex.reitoria.unesp.br/congressos/Congressos/1__Congresso/Cidadania_e_Direitos_Humanos/Trabalho11.htm
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/148044
dc.description.abstractTrata-se do desenvolvimento de um projeto de Educação em Direitos Humanos, na tentativa de refletir e enfrentar as várias formas de violência que tem atingido de maneira implacável o cotidiano escolar. O projeto está sendo realizado em parceria com diretores, professores e pais de alunos, em três escolas de Ensino Fundamental, localizadas em bairros periféricos da cidade de Marília-SP. O Projeto "Valores Humanos na Escola" iniciou-se no segundo semestre de 1998. No ano passado, realizou-se um estudo piloto, com o desenvolvimento do Projeto em apenas uma classe de 3ª série. Os resultados positivos evidenciados, nessa primeira fase de implantação do Projeto, ensejaram sua ampliação para mais duas escolas da rede de Ensino Fundamental Municipal, abrangendo todas as salas de aula de 1ª a 4ª série das escolas envolvidas. O estudo piloto desenvolvido, no ano passado, consistia de Oficinas semanais coordenadas pela própria professora responsável pela classe de alunos, planejadas em conjunto com a equipe de trabalho responsável pelo desenvolvimento do Projeto, da qual participaram além da professora da classe também aluna da Unesp), mais duas alunas-bolsistas e uma docente da Universidade. As atividades constantes das doze Oficinas realizadas, ao longo do semestre, subordinaram-se a quatro Unidades Temáticas, a saber: I- Respeito às diferenças e questões de ponto de vista; II- Empatia e Tolerância; III-Cooperação; IV-Concepção de ser humano. As Oficinas obedeciam, via de regra, à seguinte estrutura: 1. Sensibilização. O primeiro passo consistia em fazer uma sensibilização do tema a ser abordado, através de "viagens imaginárias" ou exercícios corporais. Por exemplo, na Oficina "Respeito às Diferenças", o grupo classe realizou uma série de exercícios imitando pessoas portadoras de deficiências físicas e também idosos, meninos pedindo nas ruas, drogados, etc. Depois, comentaram suas sensações e percepções do lugar de excluídos que ocupam essas pessoas em nossa sociedade. 2. Problematização do direito ou valor humano violado. Depois da Sensibilização, o passo seguinte era pensar junto com os alunos exemplos do direito violado, através de imitações ou contra-exemplos do valor humano em questão. Na Oficina sobre Empatia, por exemplo, depois de se fazer a leitura de uma história sobre trabalho infantil na Índia, os alunos refletiram essa problemática no Brasil, analisando matérias jornalísticas trazidos pela professora; posteriormente ouviram e discutiram o depoimento de três colegas da classe marcados pela exploração no trabalho, um que tinha sido "bóia-fria", outro que fora retirante de leite e o terceiro, ajudante em um bar de seu tio. 3. Teatro e Jogos. Na seqüência, a professora solicitava aos alunos que trabalhassem em pequenos grupos e elaborassem roteiros para teatro, a fim de se colocar "em cena" diferentes formas de violação de direitos, como a expulsão escolar, o trabalho infantil, etc. Um dos roteiros elaborados sobre trabalho infantil consistiu na simulação de um julgamento de empresário explorador do trabalho infantil, com todos os detalhes apropriados à encenação : advogados de acusação e de defesa., testemunhas , juiz, inclusive constituição de júri popular. Cada Unidade temática se completava com uma série de jogos, construídos para desenvolver empatia, cooperação, solidariedade, etc., conforme a atitude ou valor humano que se pretendia focalizar, vinculado à Unidade que estava sendo trabalhada. Por exemplo, na Unidade relacionada à empatia, elaborou-se um jogo de cartas , onde os jogadores tinham que adivinhar a resposta (empática ou não) de um determinado colega. 4. Generalização do aprendizado e Avaliação. Sempre ao término de cada Oficina, os alunos tinham que trazer na semana seguinte, uma redação com tema sugerido pela professora; ou dependendo do tema que estava sendo trabalhado na Unidade, tinham que inventar um roteiro para teatro, escrever exemplos de situações vivenciadas em casa, na escola ou na rua, em que ocorrera empatia, cooperação ou respeito às diferenças, etc. Tais opiniões trazidas de casa, ou roteiros de situações para serem dramatizadas em classe, às vezes criados na própria sala de aula, serviam para a professora avaliar o aproveitamento dos alunos, quando terminada uma das Unidades Temáticas. No corrente ano de 1999, o Projeto deverá desenvolver-se nos dois semestres letivos, sendo que as Unidades Temáticas, acima elencadas, e as doze Oficinas a elas subordinadas serão desenvolvidas no segundo semestre. No primeiro semestre, o Projeto contemplará Unidades Temáticas mais gerais, no intuito de se fazer um preâmbulo à reflexão conjunta de conteúdos mais específicos da área de Ética e Cidadania, assim definidas: I- Para que servem as leis da sociedade, as normas da escola e a regras da sala de aula; II- Declaração dos Direitos Humanos e Violação desses Direitos; III-Democracia participativa e construção da cidadania. No decorrer do primeiro semestre de 1999, o Projeto visa alcançar o envolvimento de toda comunidade escolar na discussão dos problemas emergentes nas três escolas participantes. Reuniões setoriais com pais e professores têm viabilizado o exercício crescente da cidadania e participação de todos na construção de uma efetiva escola democrática. Tais reuniões visam percorrer os seguintes passos: 1º Diagnosticar principais problemas da escola; 2º Definir o "sonho possível" da escola que se pretende construir; 3º Traçar metas e objetivos a curto, médio e longo prazo, vislumbrando o sonho de escola, sonhado coletivamente; 4º Compor grupos de ação-reflexão-ação, envolvendo pais, professores, técnicos, enfim, toda a comunidade escolar interessada em pensar a construção de uma escola efetivamente pautada em princípios democráticos; 5º Avaliar continuamente "em processo", através de Assembléias e das Horas de Trabalho em Conjunto (atividade semanal obrigatória dos professores), o Projeto que está sendo implementado. Importante considerar que o Projeto "Valores Humanos na Escola: análise de uma experiência em processo" tem contribuído para: - articular a Universidade, Escolas de Ensino Fundamental e a comunidade onde elas se inserem; - respaldar com conhecimentos teórico-metodológicos a iniciativa de professores e diretores de escolas compromissados com o desenvolvimento de atitudes e conteúdos ligados ao Tema Transversal "Ética e Cidadania", em observância às novas orientações dos Paradigmas Curriculares Nacionais, com vistas a sua efetiva implementação nos projetos pedagógicos e na prática concreta, em sala de aula.pt
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.relation.ispartofCongresso de Extensão Universitária
dc.sourcePROEX
dc.titleValores humanos na escola: análise de uma experiência em processopt
dc.typeResumo
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.description.affiliationUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.description.affiliationUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Departamento de Psicologia da Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília
dc.description.affiliationUnespUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Departamento de Psicologia da Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Maríliapt
unesp.departmentPsicologia da Educação - FFCpt
Localize o texto completo

Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record