Show simple item record

dc.contributor.advisorFeliciano, Carlos Alberto [UNESP]
dc.contributor.authorSousa, Antonio Eusébio de [UNESP]
dc.date.accessioned2017-03-10T18:36:12Z
dc.date.available2017-03-10T18:36:12Z
dc.date.issued2016-12-21
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/148966
dc.description.abstractVive-se no estado do Piauí a chegada de grandes projetos do capital, onde os direitos humanos e os conhecimentos tradicionais são violados em nome de um suposto interesse público, sendo que se opor a tal perspectiva é motivo de grande perplexidade por parte daqueles que creem nos benefícios de um progresso minado por falhas e contradições. Contrapondo a esse modelo, surge a luta e existência das comunidades tradicionais camponesas. A pesquisa realizada consiste em um estudo sobre as Lutas e Resistência de Comunidades Tradicionais do Semiárido Piauiense em frente os avanços dos grandes projetos do capital com destaque aos projetos de Mineração e Transnordestina, dando ênfase ao momento atual relacionando com suas histórias e avanços. Historicamente, o campo piauiense conviveu com problemas relacionados à questão agrária e disputa socioterritorial. Nenhuma política foi desenvolvida no sentido de mudar esse quadro dramático no campo, associado a essas questões intensificam a ação de outros fatores. As comunidades tradicionais que possuem uma relação histórico-cultural com o território piauiense tornam-se, na conjuntura atual, alvo do avanço de interesses privados e embasados pelo princípio da supremacia do interesse público: os grandes projetos do capital. Incluem-se, nesse processo, problemas socioterritoriais, que podem ser ocasionados a partir de tais práticas. Tomaram-se como base para esse estudo as comunidades camponesas do município de Curral Novo e Simões, locais de maiores incidência dos projetos do capital na atualidade. Em meio a essa problemática, existe a resistência das comunidades tradicionais e suas várias formas de organizações que, embora desafiadoras, têm sido viáveis para o enfrentamento da conjuntura do momento. Como referência histórica destaca-se essa resistência iniciada pelas CEBs, passando pela CPT e MST. Nessa perspectiva, é notória a necessidade de se opor a tal proposta de desenvolvimento, fortalecendo o envolvimento dessas comunidades como sujeitos desse processo, a partir dos conhecimentos e da vivência ao longo de sua história.pt
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.subjectConflitospt
dc.subjectImpactos socioterritoriaispt
dc.subjectLuta e resistênciapt
dc.subjectCampesinatopt
dc.subjectSaberes tradicionaispt
dc.titleConflito, luta e resistencia camponesa no semiárido piauiense frente aos projetos mineração e transnordestinapt
dc.title.alternativeConflictos, Luchas y resistencia de las comunidades campesinas de semiárido piauiense delante de los proyetos mineraciôn e transnordestinaes
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.graduateProgramDesenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe - IPPRIpt
unesp.knowledgeAreaOutrapt
unesp.researchAreaAmbiente, Sustentabilidade e Territóriopt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais, São Paulopt
unesp.embargoOnlinept
dc.identifier.aleph000881664
dc.identifier.capes33004013068P6
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record