Show simple item record

dc.contributor.advisorNegreiros-Fransozo, Maria Lucia [UNESP]
dc.contributor.advisorBertini, Giovana [UNESP]
dc.contributor.authorCosta, Marina Machado
dc.date.accessioned2020-03-23T17:20:04Z
dc.date.available2020-03-23T17:20:04Z
dc.date.issued2020-02-28
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/191951
dc.description.abstractCamarões da infraordem Caridea (Crustacea, Decapoda) constituem um componente importante da macrofauna de diversos ambientes aquáticos. O conhecimento sobre o comportamento reprodutivo de espécies de Caridea, ecologicamente importantes, vem ganhando espaço, em particular, entre autores brasileiros. Baseado na hipótese que camarões do gênero Potimirim possam ser hermafroditas, analisamos o comportamento reprodutivo do camarão carídeo Potimirim potimirim (Müller, 1881), em laboratório. Esta espécie vive agregada e movimenta-se bastante no ambiente em busca de alimento, em especial. Deste modo, os experimentos foram acompanhados, em laboratório, quanto aos ciclos reprodutivos utilizando-se uma câmera de vídeo, totalizando 10 réplicas (nenhum camarão foi re-utilizado nos experimentos). Fêmeas ovígeras foram mantidas num mesmo aquário com fêmeas adultas que recém haviam liberado larvas para a verificação de ocorrência de acasalamento. Neste caso, testando-se a hipótese de hermafroditismo simultâneo. O comportamento reprodutivo apresentou-se conforme três etapas, como seguem: interação, posicionamento lateral e cópula (obs. não seguindo tal ordem e nem algum padrão). Verificou-se que machos realizaram guarda pré-cópula, entretanto a guarda pós-cópula não foi registrada. Fêmeas copularam com mais de um macho. Desse modo, viver agregado pode ser uma tática vantajosa para essa espécie. Tais resultados favorecem a hipótese pelo qual a falta de corte pelo macho, guarda pós-cópula e pela alta taxa de indivíduos agregados, as cópulas ocorrem em encontros por acaso, reforçando a “pure searching”, sendo uma tática evolutiva de muitas espécies de camarões pequenos. A controvérsia existente na literatura, que classifica Potimirim mexicana De Saussure, 1857 e, possivelmente o gênero, como hermafrodita não foi evidenciada para P. potimirim, a qual se trata de uma espécie gonocórica.pt
dc.description.abstract
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.subjectCarideapt
dc.subjectCópulapt
dc.subjectGonocorismopt
dc.subjectProtandriapt
dc.subjectÁgua docept
dc.subjectProtândricopt
dc.subjectSistema sexualpt
dc.subjectCamarão miúdopt
dc.subjectHistologiapt
dc.titleO hermafroditismo protândrico é uma característica do camarão carídeo Potimirim potimirim (Crustacea, Decapoda, Atyidae)? Análise histológica e comportamentalpt
dc.title.alternativeIs protandric hermaphroditism a characteristic of the caridea shrimp Potimirim potimirim (Crustacea, Decapoda, Atyidae)? Histological and behavioral analysisen
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso restrito
dc.description.sponsorshipId133876/2019-5pt
unesp.graduateProgramCiências Biológicas (Zoologia) - IBBpt
unesp.knowledgeAreaZoologiapt
unesp.researchAreaComportamento animal, histologia e histoquímica de camarões carídeospt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências, Botucatupt
unesp.embargo24 meses após a data da defesapt
dc.identifier.aleph000929794pt
dc.identifier.capes33004064012P8
unesp.examinationboard.typeBanca públicapt
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record