Show simple item record

dc.contributor.authorMachado, Eliete S. [UNESP]
dc.contributor.authorMinhoni, Marli T.A. [UNESP]
dc.contributor.authorBüll, Leonardo Theodoro [UNESP]
dc.date.accessioned2014-05-20T13:21:21Z
dc.date.available2014-05-20T13:21:21Z
dc.date.issued1999-04-01
dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.1590/S0100-83581999000100007
dc.identifier.citationPlanta Daninha. Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas , v. 17, n. 1, p. 73-81, 1999.
dc.identifier.issn0100-8358
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/6133
dc.description.abstractO presente experimento, inteiramente casualizado, foi desenvolvido em condições de laboratório no Departamento de Defesa Fitossanitária, FCA/UNESP - Botucatu, entre julho e setembro de 1992. Amostras de Areia Quartzosa equivalentes à 40 g de terra seca à 105 oC ± 2 com ou sem adição de 1,9 g de matéria seca de plantas de poaia-branca (Richardia brasiliensis), 0,19 g de nitrogênio (NH4)2SO4 e 0,88 g de apatita de Araxá, foram incubadas no escuro a 25 o C ± 2 , com umidade mantida a 60% da capacidade de retenção de água. Durante a incubação, determinou-se o CO2 liberado, utilizando-se o método de retenção em NAOH seguida de titulometria com HCl; a biomassa microbiana, método de fumigação-incubação; o pH e a quantidade de fósforo extraído por resina. A maior liberação de CO2 ocorreu durante os dez primeiros dias de incubação, com 77% do total de carbono liberado nos tratamentos com adição de poaia, e 37% nos tratamentos sem adição da mesma. A liberação de CO2 foi 57 vezes maior nos tratamentos com poaia em relação ao controle. A poaia também provocou aumentos na biomassa microbiana (média de 8 vezes a biomassa do tratamento controle), e a adição de nitrogênio e/ou fosfato de rocha junto à poaia antecipou os picos de formação de biomassa de 20 para 10 dias de incubação. Os níveis de fósforo disponível foram maiores no tratamento com adição de fosfato de rocha apenas. A poaia também alcalinizou o sistema, não permitindo desta forma, observar-se relação significativa entre pH e teor de fósforo disponível.pt
dc.description.abstractThe present experiment, totally randomized, was carried out under laboratory conditions at the Departamento de Defesa Fitossanitária, FCA/UNESP-Botucatu, between July and September, 1992. Fresh air-dry samples of quartz sand representing 40g of dry soil each, at 105 o C ± 2, with or without addition of 1.90g of dry matter of poaia-branca (Richardia brasiliensis) plants, 0.19g of nitrogen (NH4)2SO4 and 0.88g of Araxá apatite, were incubated under dark conditions at 25 oC ±2,with moisture held at 60% water retention capacity. During incubation, CO2-liberation was determined by means of the method of retention in NaOH followed by titration with HCl; microbial biomass was determined through the fumigation-incubation method, while pH and phosphorus extract by resin. CO2-liberation was high during the first ten days of incubation, with 77% of total carbon released in treatments with poaia addition, and 37% in treatments without addition. CO2-liberation was 57 times higher in the Poaia treatments compared to the control.en
dc.format.extent73-81
dc.language.isopor
dc.publisherSociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas
dc.relation.ispartofPlanta Daninha
dc.sourceSciELO
dc.subjectFosfato de rochapt
dc.subjectplanta daninhapt
dc.subjectRichardia brasiliensispt
dc.subjectRock phosphateen
dc.subjectavailable phosphorusen
dc.subjectweeden
dc.subjectRichardia brasiliensisen
dc.titleLiberação de CO2, biomassa microbiana e fósforo disponível em solo adicionado de matéria seca de poaia-brancapt
dc.title.alternativeCO2 liberation, microbial biomass and available phosphorus in soil supplemented with Brasil callality dry matteren
dc.typeArtigo
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.description.affiliationUNESP FCA Depto de Defesa Fitossanitária
dc.description.affiliationUNESP FCA Deptartamento de Defesa Fitossanitária
dc.description.affiliationUNESP FCA Departamento de Ciência do Solo
dc.description.affiliationUnespUNESP FCA Depto de Defesa Fitossanitária
dc.description.affiliationUnespUNESP FCA Deptartamento de Defesa Fitossanitária
dc.description.affiliationUnespUNESP FCA Departamento de Ciência do Solo
dc.identifier.doi10.1590/S0100-83581999000100007
dc.identifier.scieloS0100-83581999000100007
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatupt
dc.identifier.fileS0100-83581999000100007.pdf
dc.identifier.lattes1090072947808223
unesp.author.lattes1090072947808223
dc.relation.ispartofjcr0.544
dc.relation.ispartofsjr0,365
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record