Show simple item record

dc.contributor.advisorDias, Romualdo [UNESP]
dc.contributor.authorSouza, Rafael Praxedes [UNESP]
dc.date.accessioned2014-06-11T19:24:18Z
dc.date.available2014-06-11T19:24:18Z
dc.date.issued2010-09-01
dc.identifier.citationSOUZA, Rafael Praxedes. O corpo na escola: um estudo sobre as relações entre cultura e processos de subjetivação. 2010. 97 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2010.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/90080
dc.description.abstractEsta pesquisa analisa alguns limites e algumas possibilidades da ação educacional na escola a partir de minhas inquietações diretamente relacionadas com o controle dos corpos dos educandos. Nosso estudo tem como objetivo cartografar os corpos dos alunos de escolas públicas do Estado de São Paulo. Estamos atentos para identificar e investigar a emergência de uma possível “cultura policial” no interior da escola, e escolhemos duas fontes documentais que nos ajudarão a entender este processo: os livros de ocorrências e o “PROERD”, programa da polícia militar levado para a sala de aula. Nos documentos recolhidos aparece a necessidade de reformar os alunos, por meio da estratégia da vigilância permanente e da responsabilização por suas atitudes. Opera pelo reforço da informação de que todas as atitudes não desejadas serão marcadas com o acréscimo de conduzirem inevitavelmente a um suposto “caminho ruim”. Temos, deste modo, caracterizado o eixo do controle sobre os corpos. Elucidamos os mecanismos de controle a partir da leitura de BENTHAM, que promete resultados ótimos se a sociedade for vigiada o tempo todo e destaca a importância de que todos saibam que são vigiados. Os estudos de SKINNER e THOREAU apresentam a importância e os benefícios de uma sociedade planificada, com controle da natureza e do humano. Entendemos que a escola é uma instituição política e que o controle não consegue capturar completamente as pessoas, e a partir deste posicionamento demarcamos o que vibra fora do visível. Perguntamos: como os alunos conseguem dar vida à escola? Os sinais de rebeldia também podem ser sinais de vida, compreendidos como reações de um corpo que se manifesta mesmo quando é anestesiado. Trabalharemos um segundo eixo, o da emancipação, utilizando a sensibilidade do cartógrafo, que está atento aos sinais e aos gestos que escapam aos mecanismos...pt
dc.description.abstractThis research examines some limitations and some possibilities of educational action at school from my concerns directly related to the control of bodies of students. Our study aims to chart the bodies of public school students of São Paulo. We are aware to identify and investigate the possible emergence of a police culture within the school, and chose two documentary sources that help us understand this process: the books of occurrences and PROERD program of the military police led to the classroom. In documents obtained appears the need to reform the students through the strategy of constant supervision and accountability for their actions. Operates by strengthening the information that all unwanted attitudes will be marked with the addition that it lead inevitably to a supposed bad way. We thus characterized the axis of control over their bodies. We explain the mechanisms of control from the reading of BENTHAM, which promises optimal results if the society is monitored all the time and highlights the importance that everyone knows they are monitored. The studies of SKINNER and THOREAU present the importance and benefits of a planned society, with control of nature and the human. We understand that school is a political institution and that the control can not fully capture the people, and from this position we defined what vibrates off the visible. We ask: how students can give life to school? Signs of rebellion can also be signs of life, understood as reactions of a body that is manifested even when it is anesthetized. We will work a second axis, the emancipation of using the sensitivity of the cartographer, who is aware to the signs and gestures which escape the control mechanisms operating within the schoolen
dc.format.extent97 f.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.sourceAleph
dc.subjectEducaçãopt
dc.subjectControlept
dc.subjectEmancipaçãopt
dc.subjectCorpopt
dc.subjectProcesso de subjetivaçãopt
dc.subjectBodyen
dc.subjectSubjective processen
dc.subjectControl and emancipationen
dc.titleO corpo na escola: um estudo sobre as relações entre cultura e processos de subjetivaçãopt
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.graduateProgramEducação - IBRCpt
unesp.knowledgeAreaEducaçãopt
unesp.researchAreaCultura e subjetividade das organizaçõs educacionaispt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (Unesp), Instituto de Biociências, Rio Claropt
dc.identifier.aleph000625817
dc.identifier.filesouza_rp_me_rcla.pdf
dc.identifier.capes33004137064P2
dc.identifier.lattes0401143132924259
unesp.author.lattes0401143132924259
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record