Show simple item record

dc.contributor.advisorMaia, Ana Cláudia Bortolozzi [UNESP]
dc.contributor.authorCosta Júnior, Florêncio Mariano [UNESP]
dc.date.accessioned2014-06-11T19:28:59Z
dc.date.available2014-06-11T19:28:59Z
dc.date.issued2010-03-26
dc.identifier.citationCOSTA JÚNIOR, Florêncio Mariano. Concepções de médicos/as e enfermeiros/as sobre questões de gênero na saúde. 2010. 120 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, 2010.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/97456
dc.description.abstractO processo histórico e social construiu modelos de masculinidade e feminilidade que culminam em padrões e normas a serem seguidas pelos indivíduos em suas interações sociais. Nas últimas décadas estudos fundamentados nas discussões originadas no movimento feminista têm investigado a forma como as instituições sociais, incluindo aí a medicina e as demais ciências da saúde, estabeleceram ao longo da história padrões de masculinidade e feminilidade, nutrindo o discurso sexista presente no senso comum e nas ciências. Papéis sociais são atribuídos aos gêneros especificando limites rígidos de comportamento e de controle social. A noção da predisposição feminina a distúrbios físicos e emocionais gerou especulações dentro de vertentes acadêmicas culminando na criação de especialidades médicas que prevenissem o adoecimento feminino; o masculino permeado por noções de resistência e força se tornou sinônimo de corpo saudável, ratificando a dominação masculina e o papel político e econômico dos homens. Estudos indicam que as relações de gênero influenciam negativamente sobre os cuidados com a saúde. Como objetivo de estudo esta pesquisa buscou investigar, por meio de entrevistas semi-estruturadas e análise de conteúdo, as concepções sobre gênero e suas relações no cuidado com a saúde nos relatos de 11 profissionais da sáude. Os resultados obtidos indicam que para os entrevistados as características tidas como de gênero são determinadas por fatores biológicos e sociais e irão influenciar na forma como homens e mulheres lidam com a sua saúde e doença. De acordo com os resultados há uma diferença significativa na interação com homens e mulheres sendo que as interações profissionais com o público feminino são entendidas como mais satisfatórias. Para os participantes a formação profissional não...pt
dc.description.abstractThe historical and social process has built models of masculinity and femininity that culminate in standards and norms to be followed by individuals in their social interactions. In recent decades studies based on the discussions that originated in the feminist movement have been investigating how social institutions, including medicine and other health sciences, have established standards of masculinity and femininity throughout the history, nurturing this sexist discourse on common sense and sciences. Social roles are assigned to the genera specifying rigid boundaries of behavior and social control. The notion of the female predisposition to physical and emotional disorders has prompted speculation within academic strands culminating in the creation of specialized medical illness that would prevent the female, the male permeated by notions of endurance and strength has become synonymous of a healthy body, confirming the male domination and the economic and political role of men. Studies indicate that gender relations influence negatively on health care. This research concerned to study and investigate through semi-structured interviews and content analysis, conceptions of gender and its relationship to health care in reports of 11 health professionals. The results obtained indicate that for the interviewed subjects that the regarded characteristics of gender are determined by biological and social factors and will influence the way men and women deal with their health and disease. According to the results there is a significant difference in interaction with men and women being the professional interactions with the female audience perceived as more satisfactory. For the participants the professional background did not address gender issues and strategies to cope with the demands male and female were learned in professional... (Complete abstract click electronic access below)en
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
dc.format.extent120 f. : il. + anexo
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.sourceAleph
dc.subjectPsicologia do desenvolvimentopt
dc.subjectSaudept
dc.subjectGeneropt
dc.subjectConcepções de profissionais da saúdept
dc.subjectConceptions of health professionalsen
dc.subjectGenderen
dc.titleConcepções de médicos/as e enfermeiros/as sobre questões de gênero na saúdept
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.graduateProgramPsicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem - FCpt
unesp.knowledgeAreaPsicologia do desenvolvimento e aprendizagempt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, Baurupt
dc.identifier.aleph000616712
dc.identifier.filecostajunior_fm_me_bauru.pdf
dc.identifier.capes33004056085P0
dc.identifier.lattes0418187005680125
unesp.advisor.lattes0418187005680125[1]
unesp.advisor.orcid0000-0003-4796-5451[1]
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record