Comparação da carga interna e externa em uma sessão de treinamento com jogo em campo reduzido, jogo amistoso e oficial em jogadores de futebol da categoria sub-20 de elite

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-01-26

Autores

Teixeira, Matheus Vinicios dos Santos

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Jogos em campo reduzido (JCR) têm sido utilizados como estratégia de treinamento no futebol, devido a possibilidade de manipulação das variáveis (número de jogadores, tamanho do campo, e regras de competição). Em adição, o jogo amistoso (JA) é outra estratégia que simula o jogo oficial (JO), permitindo avaliar a equipe e os jogadores em um contexto mais específico. Assim, o objetivo deste estudo foi comparar a carga externa (deslocamento) e carga interna (resposta da frequência cardíaca) entre uma sessão de treinamento com dois jogos em campo reduzido (S- JCR), JA e JO em jogadores de futebol Sub-20 de uma equipe da primeira divisão do futebol brasileiro. Oito jogadores compuseram a amostra (idade: 18,77 ± 0,93 anos; altura: 179,83 ± 5,76 cm; massa corporal: 74,68 ± 8,84 kg; % gordura corporal: 10,12 ± 1,12%). A S-JCR foi disputada em 6x6, dividida em duas partes: JCR-1 - objetivo de marcar gols em metas menores; JCR-2, idem ao JCR-1, mas, o jogador deveria entrar em outra área e fazer o gol em uma meta oficial com goleiro. O JA e o JO foram disputados com as regras oficiais. Dados de deslocamento foram coletados com um GPS (10Hz, acelerômetro) e um monitor de frequência cardíaca (FC, registrada a cada segundo). Dados de deslocamento foram: distância total percorrida, distância em diferentes zonas de velocidade (Z3 = 14-20, Z4 = 20-25 e Z5 > 25 Km/h), velocidade máxima (Vmax); aceleração e desaceleração acima 4 m/min2 (ACC4 e DCC4 n/min, respectivamente); enquanto a FC foi utilizada para calcular a carga interna pelo método do impulso de treinamento (TRIMP) e o tempo de permanência acima de 80% da FCmax (FC>80%). A análise estatística compreendeu a ANOVA para medidas repetitivas com teste post hoc de Bonferroni (P<0,05). Todas as variáveis apresentaram maiores valores no JA e no JO em comparação ao S-JCR, exceto a Vmax. Apenas a distância na zona de intensidade Z5 (> 25km/h) foi maior no JO em relação ao JA (3,08 ± 1,75 vs 1,15 ± 0,87 m/min, respectivamente, p<0,05). A S-JCR estudada apresentou menor carga externa e interna do que JA e JO, demonstrando boa opção para uso da periodização da carga em um microciclo de treinamento. O JA teve intensidade similar ao JO, demonstrando que o JA é uma boa estratégia para testar e analisar jogadores previamente a competições. Treinadores podem utilizar a S-JCR avaliada para manipular a carga de treinamento dentro da periodização da equipe e usar JA como uma ótima opção para simular o JO.
Small field games (SSG) have been used as a training strategy in soccer due to the possibility of manipulating variables (number of players, field size, and competition rules). In addition, the friendly match (FM) is another strategy that simulates the official match (OM), allowing one to evaluate the team and the players in a more specific context. Thus, the aim of this study was to compare the external load (displacement) and internal load (HR - heart rate response) between a training session with two small field games (S-SSG), FM and OM in U-20 soccer players of a team from the first division of Brazilian football. Eight players composed the sample (age: 18.77 ± 0.93 years; height: 179.83 ± 5.76 cm; body mass: 74.68 ± 8.84 kg; % body fat: 10.12 ± 1, 12%). The S- SSG was played in 6x6, divided into two parts: SSG-1 - scoring goals in a smaller target; SSG -2, same as SSG -1, but to score goals, the player should enter another area and play the goal in official meta with a goalkeeper. The FM and OM were played with the official rules. Displacement data were collected with a GPS (10Hz, accelerometer) and a heart rate monitor (HR, recorded every second). Displacement data were: total distance travelled, distance in different speed zones (Z3 = 14-20, Z4 = 20-25 and Z5 > 25 km/h), maximum speed (Vmax); acceleration and deceleration above 4 m/min2 (ACC4 and DCC4 n/min, respectively); while the HR was used to calculate the internal load by the training impulse method (TRIMP) and the time spent above 80% of HRmax (HR>80%). Statistical analysis comprised ANOVA for repetitive measures with post hoc Bonferroni test (P<0.05). All variables showed higher values in FM and OM than S-SSG, except for Vmax. Only the distance in the intensity zone Z5 (> 25km/h) was significantly greater in OM compared to FM (3.08 ± 1.75 vs 1.15 ± 0.87 m/min, respectively, p<0.05). The studied S-SSG presented lower external and internal load than FM and OM, demonstrating a good option for using load periodization in a training microcycle. FM had a similar intensity to OM, indicating that FM is a good strategy for testing and analyzing players before competitions. Coaches can use the evaluated S-SSG to manipulate the training load within the team's periodization and use FM as a great option to simulate the OM.

Descrição

Palavras-chave

Futebol, Base, Treinamento, Partida Amistosa, Football, Youth, Training, Friendly Game

Como citar