Influência do tratamento clareador e envelhecimento induzido sobre o brilho, cor, dureza e rugosidade superficial de resinas compostas

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-12-18

Orientador

Bresciani, Eduardo

Coorientador

Pós-graduação

Odontologia Restauradora - ICT

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (inglês)

Whitening procedures are frequent in esthetic dentistry. Resin composites undergo a certain amount of surface degradation of their organic matrix, resulting in possible decrease of mechanical and optic properties, and the long-term influences of this treatment on resin composite surface properties are still not known. The aim of the present study was to assess in vitro the influence of whitening therapy associated with induced aging on color, gloss, roughness and hardness of microparticled and nanoparticled resin composites. Material e Methods: One hundred and eighty specimens of each resin composite (Durafill VS - Heraeus Kulzer / Filtek Z350 XT - 3M ESPE, microparticled and nanoparticled resins, respectively) was fabricated with dimensions of 6 mm in diameter and 1 mm in thickness for gloss and color tests, 5 mm in diameter and 3 mm in thickness for microhardness tests, and 6 mm in diameter and 3 mm in thickness for roughness tests. Specimens was divided into three main groups: with no whitening therapy, with whitening therapy using 38 % hydrogen peroxide (Opalescence Boost – Ultradent), and with whitening therapy using 15 % carbamide peroxide (Opalescence PF 15 % - Ultradent). The main groups was further divided into two groups, one receiving inducing aging by light (Suntest CPS+ - Atlas) and the other water aging. One-third of each final group (n=10) had color and surface gloss assessed, the other third (n=10) for roughness, and the last third for hardness assessments. The parameters was assessed at baseline, after the whitening therapy (in case whitening was performed), and after the proposed aging therapy. Data was assessed for normality distribution and submitted to three-way ANOVA and multiple comparison tests. The level of significance was set at 5 %. Nanofilled resin suffered color change. The whitening procedures did not affect the gloss of resins and the aging by light significantly reduced this property. After aging, surface hardness increased, with higher values for aging in water. The roughness values increased after aging by light. We concluded that none of the whitening therapies could accelerate the process of degradation of resin composites, except carbamide peroxide on roughness samples.

Resumo (português)

A realização de procedimentos clareadores é frequente em dentística estética. As resinas compostas sofrem um certo grau de degradação superficial em sua matriz orgânica logo após este tipo de tratamento, com possível comprometimento de suas propriedades mecânicas e ópticas, e suas consequências à longo prazo ainda são pouco conhecidas. Portanto, o objetivo deste estudo foi avaliar in vitro a influência sobre o brilho, cor, dureza e rugosidade superficial de resinas compostas, microparticulada e nanoparticulada, após o tratamento clareador e a simulação de envelhecimento. Material e Métodos: Foram confeccionados 180 corpos de prova de cada tipo de resina composta (Durafill VS - Heraeus Kulzer / Filtek Z350 XT - 3M ESPE). Os espécimes possuíram diâmetros de 6 mm e 1 mm de espessura para os testes de cor e brilho; 5 mm e 3 mm de espessura para os testes de microdureza; e 6 mm por 3 mm espessura com indentação semilunar para os testes de rugosidade, e foram divididos em três grupos: sem tratamento clareador, com tratamento clareador a base de peróxido de hidrogênio 38 % (Opalescence Boost – Ultradent) e com tratamento clareador a base de peróxido de carbamida 15 % (Opalescence PF 15 % - Ultradent). Estes grupos foram subdivididos em dois outros grupos, um com envelhecimento induzido por luz (Suntest CPS+ - Atlas) e outro por imersão em água durante um ano. Um terço dos espécimes foram avaliados em cor e brilho, um terço foi avaliado dureza e o último terço foi avaliada a rugosidade superficial. Os corpos de prova tiveram os parâmetros verificados 48 horas após a polimerização (baseline), após o tratamento clareador (se pertencente ao grupo que recebeu este tratamento), e ainda após o envelhecimento proposto. Os dados obtidos foram submetidos à análise de normalidade através do teste de Tukey e em seguida à análise estatística por meio do teste de análise de variância à três fatores e teste de comparações múltiplas. O nível de significância foi de 5 %. Para a cor, os protocolos clareadores influenciaram significantemente, alterando a cor das resinas testadas. Ambos os protocolos de envelhecimento também alteraram as resinas, com maior variação para o envelhecimento por luz. A resina nanoparticulada sofreu a maior alteração de cor. Quanto ao brilho, os protocolos clareadores não alteraram o brilho das resinas e o envelhecimento por luz reduziu significantemente esta propriedade. A dureza superficial aumentou após o envelhecimento das resinas com valores superiores para o envelhecimento em água, e quanto a rugosidade superficial, o grupo que sofreu envelhecimento por luz obteve maiores valores de rugosidade que os grupos que sofreram envelhecimento em água. Concluímos que nenhum dos protocolos clareadores acelerou o processo de envelhecimento das resinas compostas, exceto o peróxido de carbamida nos espécimes de rugosidade superficial.

Descrição

Idioma

Português

Como citar