Angústia e prazer nas relações de poder das organizações escolares

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2005-12-06
Autores
Gomes, Roger Marcelo Martins [UNESP]
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
Universidade Estadual Paulista (Unesp)
Resumo
As organizações escolares de ensino privado, voltadas para educação de mercado, são responsáveis por uma relação paradoxal vivida por seus professores. Apesar da exploração, dominação e controle exercidos pela organização, que geram angústia e sofrimento, esses profissionais, enquanto indivíduos, manifestam uma relação prazerosa com o seu trabalho. Para investigarmos esta questão, buscamos definições teóricas de três categorias fundamentais: a organização como sistema de mediações, o poder como relação de forças e o indivíduo como sujeito sofrente. A partir dessas definições, buscamos analisar as formas de poder exercidas pelas organizações escolares sobre seus professores, a fim de demonstrar como se dá a construção da subjetividade destes indivíduos nessas relações. Utilizamos oito entrevistas semi-diretivas de professores de Ensino Médio de escola particular, adotando como técnica a entrevista psicológica para obtenção de dados e a abordagem sociomental de perspectiva dialética para análise de dados. A aplicação desta metodologia trouxe como resultado dois apontamentos marcantes das vidas dos entrevistados durante a formação escolar: a evocação e reedição do conflito angústia e prazer que será operado pela organização e a descoberta da afinidade com a área do conhecimento, que interferirá no percurso de sua vida. No trabalho, o professor se depara com o poder das organizações escolares que opera de duas formas: por mecanismos coercitivos, repressivos e castradores como o cumprimento rigoroso às regras e a ameaça de demissão e, por um sistema de mediação das contradições...
Private school institutions with a free market education perspective are responsible for a paradoxal relation experienced by their teachers. Despite the feeling of exploitation, control and domination present in the administration of this kind of school, which generate anguish and suffering, these professionals demonstrate a pleasurable relation with their working environment. In order to investigate this issue we select theoretical definitions for three fundamental categories: the organization as a system of mediations, the power relation perceptions and the individual as a suffering subject. Based on these definitions we tried to analyze the patterns of power exerted over the teachers by the school organizations and to demonstrate the subjectivity construction process of these individuals within this relation. We carried out eight semi directed interviews with secondary private school teachers, using as technique the psychological interviews for obtaining data and the sociomental approach of dialectical perspective for analyzing these data. The use of this methodology yielded two significant life dimensions of these interviewees during their school years formation: the evocation and reenactment of the aguish and pleasure conflict which will be operated by the organization and the discovering of affinity with an area of knowledge which will interfere in his/her course of life. In the working environment the teacher faces the power of the school organizations in two dimensions: on one hand, coercive, repressive and castrating mechanisms for a rigorous commitment to the rules and the threat of dismissal, on the other hand, a system for the mediation of these contradictions ...(Complete abstract, click electronic address below)
Descrição
Palavras-chave
Psicologia social, Sociologia, Escolas particulares, Psicossociologia, Psycho sociology, Subjectivity, Private schools
Como citar
GOMES, Roger Marcelo Martins. Angústia e prazer nas relações de poder das organizações escolares. 2005. 114 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2005.