Variabilidade genética entre populações de Pistia stratiotes

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2005-06-01

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas

Tipo

Artigo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (português)

O manejo de plantas daninhas em ambientes aquáticos requer cuidado diferencial e específico, a fim de evitar a contaminação ou alteração nas funções dos corpos hídricos e otimização do custo-benefício das operações. O estudo das características genéticas de populações de plantas daninhas aquáticas fornece informações que podem auxiliar no seu controle e manejo. A alface-d'água é uma planta aquática flutuante livre amplamente distribuída em todo o Brasil, mas é em ambientes aquáticos eutrofizados que essa e outras espécies de rápido desenvolvimento causam problemas sociais e econômicos, devido à grande massa vegetal produzida. Este estudo caracterizou geneticamente populações de alface-d'água coletadas em 15 reservatórios de hidrelétricas (Barra Bonita-BAB, Bariri-BAR, Ibitinga-IBI, Chavantes-CHA, Salto Grande-SAG, Jurumirim-JUR, Promissão-PRO Jaguari-JAG, Nova Avanhandava-NAV, Mogi-Guaçu-MOG, Limoeiro-LIM, Três Irmãos-TRI, Ilha Solteira-ILS, Jupiá-JUP e Porto Primavera-PPR) do Estado de São Paulo. As análises foram realizadas no NUPAM (Núcleo de Pesquisas Avançadas em Matologia), ligado à FCA/UNESP, campus de Botucatu-SP. A técnica utilizada no estudo da diversidade genética foi o RAPD. Os materiais amostrados nos reservatórios do Estado foram muito similares em sua maioria. As populações de NAV, MOG, IBI, JUR, PRO e CHA foram idênticas geneticamente. BAB e SAG, LIM e TRI também foram muito parecidas, apresentando índice de distância genética de 0,0093 e 0,0178, respectivamente. A grande maioria dos reservatórios estudados (93%) apresentou distâncias inferiores a 0,30, formando um grupo definido. No entanto, a população de Jupiá, em média, foi a que apresentou maior diversidade genética (0,45).

Resumo (inglês)

Weed management in freshwater ecosystems requires accurate and specific care to avoid alteration and contamination in water bodies and to optimize the cost-benefit of management procedures. The study of population genetics of aquatic weed supplies data for its control and management. The waterlettuce is a floating aquatic weed widely distributed throughout Brazil; however, in eutrophic freshwater ecosystems, this and other fast-developing species cause social and economic problems due to their large production of vegetable mass. This study characterized the genetic variability of waterlettuce populations collected in 15 hydroelectric reservoirs (Barra Bonita-BAB, Bariri-BAR, Ibitinga-IBI, Chavantes-CHA, Salto Grande-SAG, Jurumirim-JUR, Promissão-PRO Jaguari-JAG, Nova Avanhandava-NAV, Mogí-Guaçú-MOG, Limoeiro-LIM, Três Irmãos-TRI, Ilha Solteira-ILS, Jupiá-JUP, and Porto Primavera-PPR) in the state of São Paulo, Brazil. The analyses were carried out in NUPAM (Nucleus of Advanced Research in Weed Science) FCA/UNESP, Campus of Botucatu-SP. RAPD markers was the technique applied to study genetic diversity. Most of the accesses sampled were very similar. The populations NAV, MOG, IBI, JUR, PRO, and CHA were genetically identical. BAB and SAG, and LIM and TRI were also similar presenting genetic distance of 0.0093 and 0.0178, respectively. The majority of the reservoirs (93%) presented genetic distance lower than 0.30, forming a specific group. However, Jupiá population, on average, presented the highest genetic diversity (0.45).

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Planta Daninha. Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas , v. 23, n. 2, p. 181-185, 2005.

Itens relacionados

Financiadores