Reconstrução do ligamento redondo com emprego de autoenxerto de tendão.

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2021-10-19

Orientador

Rahal, Sheila Canevese

Coorientador

Pós-graduação

Biotecnologia Animal - FMVZ

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (português)

O objetivo do estudo foi avaliar o tendão do semitendinoso como substituto do ligamentum teres (LT) com a técnica de cavilha, empregando o coelho com modelo experimental. Foram utilizados 26 coelhos da raça Norfolk, com aproximadamente 3 meses de idade, que foram randomizados em dois grupos equitativos: G1 – sem reconstrução do LT e capsulorrafia; G2 – reconstrução do LT com uso de autoenxerto de tendão do semitendinoso. Em ambos os grupos o LT foi excisado da articulação coxofemoral direita, sendo que a coleta do autoenxerto no G2 foi no membro contralateral. Os coelhos foram avaliados no momento pré-operatório (M1) e com 48 horas (M2), 15 dias (M3), 30 dias (M4) e 90 dias (M5) após o procedimento cirúrgico. Ambos os grupos apresentaram suporte do membro ao solo. A circunferência da coxa mostrou diferenças, sendo G1>G2, exceto em M2. Não houve diferença quanto à goniometria entre grupos em M5. Radiograficamente foram visibilizadas quatro subluxações da articulação coxofemoral em G1, três em M4 e uma em M5. Em G2 ocorreram duas luxações em M3 e uma subluxação em M4, associadas ao deslocamento da cavilha para o orifício acetabular. No exame ultrassonográfico foi visibilizada superfícies articulares irregulares em quatro articulações tanto em G1 como G2 em M5. A integridade do enxerto foi verificada em 77,92% dos coelhos pelo exame macroscópico. Na histologia foi evidenciado o processo inicial de adesão do enxerto ao osso, identificado por fibras colágenas semelhantes às fibras de Sharpey. Conclui-se que a reconstrução de duplo feixe do LT usando tendão semitendíneo autólogo com técnica em cavilha mostrou uma fase inicial de ligamentização aos 90 dias de pós-operatório; contudo, deve ser considerado o viés biomecânico sofrido pelo tendão durante a locomoção.

Resumo (inglês)

This study aimed to evaluate the semitendinosus tendon to replace ligamentum teres (LT) with the toggle technique, using rabbits as an experimental model. Twenty-six Norfolk rabbits with approximately 3 months of age were divided into two equitable groups: G1 - no reconstruction of LT and capsulorrhaphy; G2 - reconstruction of the LT using semitendinosus tendon autograft. In both groups, the LT was removed from the right hip joint. In G2 the autograft was harvested from the left hind limb. The rabbits were evaluated before surgery (M1) and 48 hours (M2), 15 days (M3), 30 days (M4), and 90 days (M5) after surgery. The rabbits supported their limbs on the ground in both groups. The thigh circumference showed differences with G1>G2, except in M2. No significant differences were observed between groups for passive hip range of motion at M5. In the radiographic evaluation of G1, four hip joint subluxations were seen, three at M4 and one at M5. In G2, two hip joint luxations at M3 and one subluxation at M4 were seen. The toggle rod pulled back through the acetabular hole was associated with the luxations and subluxation. Irregular articular surfaces were seen on ultrasonography in four rabbits in each group at M5. Gross evaluation identified tendon graft integrity in 76.92% of the rabbits. Histological analysis revealed graft adhesion to the bone in the early phase comprised of Sharpey-like collagen fibers. In conclusion, the double-bundle reconstruction of the LT using autologous semitendinosus tendon associated with the toggle rod showed an early phase of tendon graft ligamentization at 90 days post-operatively in young rabbits, but biomechanical bias suffered by the tendon during gait motion must be considered.

Descrição

Idioma

Português

Como citar