Globalização e cafés especiais: a produção do comércio justo da Associação dos Agricultores Familiares do Córrego D’Antas - ASSODANTAS, Poços de Caldas (MG)

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-12-01

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia

Resumo

ABSTRACT Since the last major international coffee crisis, in the 1990s, the production of specialty coffee has been considered one of the main market alternatives for small farmers. However, the increase in world consumption of this type of coffee has also attracted the attention of major exporters, roasters and retailers, with consequent standardization of production. On the one hand, the entry in such markets has important benefits for small producers, particularly in countries recognized by the production of lower quality coffee and insufficient collective organization of farmers, as the Brazilian case, on the other hand, external regulation and the role of large companies have extended the differences of power and distribution of value along the productive spacial circuit. Therefore, this article aim to examine the paradox resulting from the insertion of small producers of the Associação dos Agricultores familiares do Córrego D’Antas, Poços de Caldas (MG), in the Fairtrade market. For this, starts the debate on globalization and standardization of specialty coffee production. Then deepens the analysis in Fairtrade and finally, it highlight the benefits and challenges faced by Assodantas.
RESUMO Desde a última grande crise internacional do café, na década de 1990, a produção de cafés especiais tem sido considerada uma das principais alternativas de mercado para os pequenos cafeicultores. Todavia, o aumento do consumo mundial deste tipo de café atraiu também a atenção de grandes empresas exportadoras, torrefadoras e varejistas, com consequente padronização da produção. Se por um lado a entrada neste tipo de mercado trouxe importantes benefícios para pequenos produtores, particularmente, em países reconhecidos pela produção de cafés de qualidade inferior e pela insuficiente organização coletiva dos cafeicultores, como o caso brasileiro, por outro, a regulação externa e a atuação de grandes empresas têm alargado as diferenças de poder e distribuição do valor ao longo do circuito espacial produtivo. Dessa forma, este artigo tem como objetivo principal analisar a inserção dos pequenos produtores da Associação dos Agricultores Familiares do Córrego D’Antas, Poços de Caldas (MG), no Comércio Justo. Para isso, parte-se do debate sobre a mundialização e padronização da produção de cafés especiais. Em seguida, aprofunda-se a análise no Comércio Justo, para, finalmente, destacar os benefícios e desafios enfrentados pela Assodantas.

Descrição

Palavras-chave

Globalization, Coffee production, Specialty coffee, Fair Trade, Assodantas – Poços de Caldas, Minas Gerais (Brazil), Globalização, Cafeicultura, Cafés especiais, Comércio Justo, Assodantas – Poços de Caldas-MG (Brasil)

Como citar

Sociedade & Natureza. Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia, v. 27, n. 3, p. 393-404, 2015.

Coleções