Estado, autores e livros didáticos de História: tensões entre racismo e antirracismo

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2020-07-03

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O presente trabalho tem como substrato a análise de três documentos: 1. Nova História Crítica: livro didático de História mais escolhido pelas escolas em todo o Brasil no PNLD 2005. 2. Projeto Araribá História: segundo livro didático de História mais escolhido pelas escolas em todo o Brasil no PNLD 2014. 3. História Sociedade & Cidadania: livro didático de História mais escolhido pelas escolas em todo o Brasil no PNLD 2017. Primeiramente, analisamos como os princípios oficiais veiculados na política antirracista são recontextualizados pelos autores das coleções selecionadas. Em seguida, discutimos o que a recontextualização tem a nos dizer sobre as relações sociais geradoras dos textos didáticos, particularmente no que diz respeito à autonomia dos autores em relação ao Estado e à orientação ideológica dos primeiros - visualizados aqui como sujeitos pedagógicos. Neste cenário, a comunicação pedagógica entre Estado – autores é examinada em função das tensões entre racismo e antirracismo na educação. Os resultados indicam que a ação dos autores na produção das coleções é independente do Estado, mas limitada à aquisição de um capital pedagógico universal no âmbito do trabalho em editoras; cenário que revela o racismo como princípio cristalizado na linguagem educacional. Para tanto, recorremos às críticas pós-coloniais para pensar o objeto da política antirracista, discutindo-se a relação entre racismo e antirracismo no currículo. O ciclo de políticas é mobilizado como metodologia para análise crítica da política antirracista. E o modelo do discurso pedagógico de Basil Bernstein apresenta-se como “guia sociológico” da investigação. Utilizamos uma metodologia mista de investigação na qual elementos quantitativos e qualitativos coexistem na análise de conteúdo.
This dissertation is based on the analysis of three documents: 1. New Critical History (Nova História Crítica): the most requested History textbook by brazillian schools in the Textbook National Program (PNLD) dating of 2005. 2. Arariba History Project (Projeto Araribá História): the second most requested History textbook by brazillian schools in the PNLD dating of 2014. 3. History Society and Citizenship (História Sociedade e Cidadania): the most requested History textbook by brazillian schools in the PNLD dating of 2017. Firstly, we analyse how the official principles disseminated in antiracist policy are recontextualized through the writting of the authors of these teaching collections. Soon after, we discuss what recontextualization tells us about the social relations that generate these textbooks, particularly the author’s autonomy with regard to the State and their ideological guidance. The authors are seen as pedagogical beings. In this context, the State – authors pedagogical communication is analyzed by tension among racism and antiracism in educational field. The assay of the results indicates that authors, in their action generating textbooks, are independent from the State, but constrained by a pedagogical capital in publisher’s working front; which reveals racism as crystallised educational language principle. For this purpose, we used post-colonial studies to analyse the object of antiracist policy, discussing the connections between racism and antiracism in curriculum. The policy cicle approach is used as methodology for the critical antiracist policy analysis. And the model of pedagogic discourse of Basil Bernstein is the “sociological guide” of the investigation. We applied a blended methodology that includes in content analysis qualitative elements as well as quantitative elements.

Descrição

Palavras-chave

Política antirracista, Relações sociais, Livro didático, Antiracist policy, Social relations, Textbook

Como citar