Toxicidade e efeitos subletais de toxinas Cry de Bacillus thuringiensis Berliner em diferentes populações de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) em laboratório

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2014-05-25

Orientador

Polanczyk, Ricardo Antonio

Coorientador

Pós-graduação

Agronomia (Entomologia Agrícola) - FCAV

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (inglês)

Plutella xylostella (Linnaeus , 1758) (Lepidoptera: Plutellidae), diamonback moth, is a major insect pest of crucifers (Brassicaceae) in Brazil and worldwide. Although it can be controlled with synthetic insecticides such as biological products, populations of P. xylostella can be quickly selected for resistance to several chemical or biological insecticides. In addition, different populations of P. xylostella may arise due to geographic isolation, resulting in reproductive isolation and physiologically distinct populations with different sensitivities to various control tactics. This variation requires management systems tailored to particular populations. The most common insecticides used to control P. xylostella based on entomopathogenic bacterium Bacillus thuringiensis (Bacillaceae) (Bt). Although many studies focus on the action way of Bt to several agricultural pests such as P. xylostella, for example, many doubts still persist particularly regarding their sublethal effects, mechanism of action and toxicity of Bt proteins. The objective of this research was to analyze the virulence and sublethal effects of Cry proteins, as well investigate factors affecting the susceptibility of Diamondback to Bt (protein level, the midgut bacteria and mutations in the ABCC2 gene) in five Brazilian populations and one population from England. Susceptibility bioassays with 5 Brazilian populations (PC, PA, PX, SBT and Bt) and one from England (UK) of P. xylostella and Cry1Ac, Cry2Aa, and Cry1IE Bt toxins were performed by estimating its virulence and sublethal effects. How Cry2Aa Cry1IE toxins did not cause larvae mortality for all populations, tests were performed just with Cry1Ac. Enzymatic and molecular experiments with the larvae guts were also performed to investigate the factors that affecting the susceptibility of insects to toxins produced by Bt. In those bioassays were analyzed total protein, the ...

Resumo (português)

Plutella xylostella (Linnaeus, 1758) (Lepidoptera: Plutellidae), a traça-das-crucíferas, é um dos principais insetos-praga de crucíferas (Brassicaceae) no Brasil e em todo o mundo. Embora possa ser controlada tanto com inseticidas sintéticos como biológicos, populações de P. xylostella podem ser selecionadas rapidamente para a resistência a vários inseticidas químicos ou biológicos. Além disso, diferentes populações de P. xylostella podem surgir devido ao isolamento geográfico, resultando em isolamento reprodutivo e em populações fisiologicamente distintas, com diferentes sensibilidades a várias táticas de controle. Tal variação requer sistemas de gestão adaptados às populações em particular. Os bioinseticidas mais comuns utilizados para controlar P. xylostella baseiam-se na bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis (Bacillaceae) (Bt). Apesar de muitos estudos focarem a ação do Bt em diversas pragas agrícolas, como P. xylostella, por exemplo, muitas dúvidas ainda persistem particularmente quanto aos seus efeitos subletais, mecanismo de ação e toxicidade das proteínas Bt. Assim, o objetivo desta pesquisa foi analisar a virulência e os efeitos subletais de proteínas Cry, bem como investigar fatores que afetam a suscetibilidade de insetos ao Bt (níveis de proteína, bactérias do intestino médio e mutações no gene ABCC2) em cinco populações brasileiras e uma da Inglaterra de P. xylostella. Foram realizados bioensaios de suscetibilidade com 5 populações brasileiras (PC, PA, Px, SBT e Bt) e uma da Inglaterra (UK) de P.xylostella e as proteínas Cry1Ac, Cry2Aa e Cry1IE de B. thuringiensis, estimando-se a virulência e avaliando os efeitos subletais das toxinas. Como as toxinas Cry2Aa e Cry1IE não causaram mortalidade nas lagartas de todas as populações, os testes foram realizados apenas com Cry1AC. Também foram conduzidos experimentos enzimáticos e ...

Descrição

Idioma

Português

Como citar

DE BORTOLI, Caroline Placidi. Toxicidade e efeitos subletais de toxinas Cry de Bacillus thuringiensis Berliner em diferentes populações de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) em laboratório. 2014. ix, 85 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2014.

Itens relacionados

Financiadores