Magnetoestratigrafia do Grupo Passa Dois e da Formação Piramboia na porção nordeste da Bacia do Paraná

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2020-01-20

Orientador

Scardia, Giancarlo

Coorientador

Pós-graduação

Geociências e Meio Ambiente - IGCE

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Dissertação de mestrado

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (português)

A magnetoestratigrafia é uma importante ferramenta de correlação estratigráfica por se basear nas alternâncias de polaridade do campo geomagnético ao longo do tempo geológico. As magnetozonas permitem correlações entre diferentes sistemas deposicionais, independente de conteúdo fossilífero e de localização geográfica. Análises paleomagnéticas foram conduzidas em três testemunhos de sondagem da Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais do Brasil (CPRM) localizados nos estados de São Paulo e do Paraná, que abrangem o Grupo Passa Dois e a Formação Piramboia (Grupo São Bento). A investigação busca refinar a geocronologia dessas unidades e contribuir para a construção das escalas globais do tempo baseadas em polaridades geomagnéticas para o Permiano fornecendo dados do hemisfério Sul. Análises complementares foram obtidas em duas seções aflorantes das formações Corumbataí e Piramboia. A transição entre a Superchron Reversa de Kiaman e a Superchron de Polaridade Mista de Illawarra foi identificada na Formação Corumbataí do testemunho FP-12-SP, a 76 metros do topo da Formação Irati. A correlação estratigráfica entre os três testemunhos estudados revela que FP-12-SP corresponde a uma seção condensada do Permiano da Bacia do Paraná, no qual as porções basal e intermediária da Formação Corumbataí se correlacionam com as formações Teresina (majoritariamente do Wordiano) e Rio do Rasto (Capitianiano - ?) dos furos SP-23-PR e SP-58-PR. Os resultados da Formação Piramboia foram inconclusivos. A mineralogia magnética das amostras é composta principalmente por hematita e magnetita, com sulfetos de ferro associados.

Resumo (inglês)

Magnetostratigraphy in an important stratigraphic correlation tool because it is based on the reversals of Earth’s magnetic field polarities through the geological time. Magnetic zones allow stratigraphic correlations among rocks from different depositional systems, despite fossil content or geographic location. Paleomagnetic analyses were conducted in samples from three drill cores from Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais (CPRM) of Brazil, located in the states of São Paulo and Paraná, which encompasses rocks of Passa Dois Group and Piramboia Formation (São Bento Group). The investigation is an effort to refine the geochronology of these units and to contribute to the elaboration of Permian Global Polarity Time Scales (GTPS) providing data from southern hemisphere. Additional analyses were obtained from two outcrop sections of Corumbataí and Piramboia formations. We identified the transition between Kiaman Reverse Superchron and Illawarra Mixed-Polarity Superchron at the Corumbataí Formation from FP-12-SP core, 76 meters above the top of Irati Formation. The stratigraphic correlation among the three drill cores reveals that FP-12- SP is a condensed section from the Permian of Paraná Basin, in which the lower and intermediate portions of Corumbataí Formation are correlative to Teresina (mainly Wordian) and Rio do Rasto (Capitanian - ?) formations from SP-23-PR and SP-58-PR drills. Results from Piramboia Formation were inconclusive. Magnetic mineralogy of samples is mainly composed of hematite and magnetite, with associated iron sulfides.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Itens relacionados