Marginália tropical: Cacaso, um poeta antropófago

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2011-05-30

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O objetivo desta dissertação é ressaltar de que forma o poeta mineiro Antônio Carlos de Brito, o Cacaso (1944-1987), pertencente à geração da década de setenta que ficou conhecida como marginal do mimeógrafo, explora os recursos estéticos proporcionados pela movimentação cultural anterior, intitulada Tropicalismo. Assim, o choque ocasionado pelos tropicalistas que proporcionou uma ruptura aos valores estabelecidos de uma sociedade mascarada pela repressão político-ideológica - fruto do golpe militar ocorrido em 1964 - é reavivado pelo escritor marginal de modo notável. A desconfiança frente ao discurso mítico-nacionalista advindo dos militares, a urgência de se criar uma identidade cultural nacional através da instauração antropofágica que visa o rompimento de hierarquias nas mais diferentes manifestações artísticas e a necessidade de dar prosseguimento à crítica de um país em cacos, propondo sua atualização, ecoa nos versos do poeta. A poesia do autor mineiro também reflete temática e esteticamente uma sociedade incapaz de compreender as mudanças do seu próprio sistema; sociedade esta que necessitava urgentemente abrir diálogos mundiais, admitir sua condição de diversidade cultural e questionar a técnica e o progresso como valores fundamentais para o desenvolvimento de uma nação. Dessa maneira, propõe-se, através da apresentação crítica da poética cacaseana, sobretudo de alguns poemas do seu segundo livro intitulado Grupo Escolar (1974), revelar os ingredientes de reconstrução e desmistificação da realidade brasileira de que Cacaso se apropria, bem como destacar a reviravolta em parâmetros até então hegemônicos de avaliação cultural. Intimamente conectados com as propostas dos tropicalistas, esses parâmetros vão, a partir dos poetas marginais, exigir um novo posicionamento frente aos conceitos de modernidade, inovação e ruptura...
The aim of this dissertation is to highlight the way the Mineiro poet Antônio Carlos de Brito, known as Cacaso (1944-1987), who belongs to the generation from the seventies which came to be known as marginal mimeograph, explores the aesthetic tools provided by the Tropicalism, the previous cultural movement. The shock caused by the tropicalists which provided a rupture in the established values of a society masqueraded by a political-ideological repression – a 1964 consequence of the military overthrow – is notably renewed by the marginal writer. The suspicion facing the mythic-nationalist discourse of the military, the necessity of having a national cultural identity through the anthropophagic establishment which aims the hierarchic bursting of diverse artistic manifestations and the urgency of continuing the critique of a country shattered into pieces aiming its actualization at the same time, echoes in the poet´s verses. The Mineiro writer´s poetry also mirrors thematically and aesthetically a society unable to understand its own system changes. A society that immediately needed to have world-wide dialogues, admit its own condition of being culturally diversified and question the technique and the progress as crucial values to develop a nation. Thus, through a critical introduction of some of his poems, especially from his second book - Grupo Escolar (1974) - we intend to disclose some ingredients that were suitable for Cacaso to reconstruct and demystify the Brazilian reality, as well as emphasize the upheaval in the cultural evaluation parameters that were hegemonic at that time. By being closely-related to the tropicalists´ attempts, those parameters demanded a new position concerning the concepts about modernity, innovation and rupture for the fringe poets. The new effort required the election of plurality, median quality and tolerance... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Brito, Antonio Carlos de, 1944-1987, Literatura brasileira, Poesia brasileira, Tropicalismo (Movimento musical), Antropofagia, Poesia marginal, Anthropofagy, Fringe poetry

Como citar

COSTA, Patrícia Anzini. Marginália tropical: Cacaso, um poeta antropófago. 2011. 128 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2011.