Precarização do trabalho e jovem trabalhador eletricitário: o caso da Companhia Paranaense de Energia

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2019-02-20

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A presente tese teve como objetivo analisar os principais aspectos sociometabólicos que influenciaram na determinação do perfil do jovem trabalhador eletricitário da Companhia Paranaense de Energia. Analisamos como a “nova” morfologia do capitalismo, resultado da recente globalização, reorientou ideologicamente os governos e a sociedade da maioria dos países. Isso levou à constituição de um “novo” metabolismo no ambiente de trabalho, gerando “novas” dimensões e formas de precarização para os trabalhadores. A dinâmica capitalista neoliberal intensificou a manipulação social, impondo culturalmente um comportamento consumista, individualista e competitivo para as novas gerações. Procuramos demonstrar como o incremento tecnológico e o método de gestão toyotista implementado pela empresa a partir do final da década de 1990 alinharam-se com o ideário neoliberal e influenciaram decisivamente na constituição do perfil dos “novos” trabalhadores que se caracterizam principalmente pela competitividade, individualidade, flexibilidade, polivalência, empreendedorismo e proatividade. Além disso, a reestruturação produtiva da empresa impactou negativamente a subjetividade desses novos trabalhadores, precarizando ainda mais suas existencialidades, levando-os a experimentar o estresse, a desesperança, o estranhamento e, por vezes, até o adoecimento físico e/ou psicossocial.
The aim of this thesis was to analyze the main socio-metabolic aspects that influenced the determination of the profile of the young electrical worker of Companhia Paranaense de Energia. We analyze how the "new" morphology of capitalism, the result of recent globalization, has ideologically reoriented the governments and society of most countries. This led to the creation of a "new" metabolism in the workplace, generating "new" dimensions and forms of precariousness for workers. Neoliberal capitalist dynamics intensified social manipulation, culturally imposing consumerist behavior, individualistic and competitive for the new generations. We tried to demonstrate how the technological increment and the toyotista management method implemented by the company from the end of the 1990s aligned with the neoliberal ideology and decisively influenced the profile of the "new" workers that are characterized mainly by competitiveness, individuality , flexibility, polyvalence, entrepreneurship and proactivity. In addition, the productive restructuring of the company has negatively impacted the subjectivity of these new workers, making their existentials even more precarious, causing them to experience stress, hopelessness, estrangement, and sometimes even physical and / or psychosocial illness.

Descrição

Palavras-chave

Trabalho, Manipulação, Toyotismo, Flexível, Estranhamento, Adoecimento, Work, Manipulation, Toyotism, Flexible, Strangeness, Illness

Como citar