Controles do desenvolvimento ovariano em abelhas africanizadas adultas, Apis mellifera Linné, 1758 (Hymenoptera, Apidae)

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2010-08-31

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Os ovários das rainhas diferem dos de operárias de Apis mellifera quanto ao número e comprimento dos ovaríolos. Tanto o número, como o comprimento destes, é muito maior na rainha que nas operárias. No entanto, em ambos os casos os ovários são funcionais, isto é, capazes de produzir óvulos maduros. Apesar disso, operárias e rainhas diferem muito quanto à fertilidade e aos mecanismos controladores/estimuladores da vitelogênese, ou seja, da maturação dos óvulos. Em condições normais da colônia, nas rainhas a vitelogênese é desencadeada pelo acasalamento e nas operárias, pela ausência da rainha ou do recebimento de informações sobre sua presença na colônia. Passada a ocasião própria para o acasalamento no caso da rainha, e em idade avançada das operárias, os ovários entram em degeneração. O objetivo do presente trabalho foi o de avaliar como se comporta o desenvolvimento do ovário em rainhas e operárias mantidas fora dos condicionamentos da colônia e o efeito do tratamento destas com CO2, prática corrente na apicultura. Para tanto, operárias e rainhas foram mantidas aprisionadas em caixas com candy e água durante 15 dias e seguida a seqüência de desenvolvimento de seus ovários. O efeito do não acasalamento na época própria e do tratamento com CO2 foi feito estudando a morfologia do desenvolvimento da ovogênese, usando TUNEL e reação de fosfatase acida para caracterizar possíveis alterações celulares. As células do filamento terminal apresentaram-se empilhadas em fila única. Na transição para o germário as células tornam-se piramidais com a base apoiada sobre a lâmina própria e o ápice voltado para o centro do ovaríolo. São encontradas células esféricas, provavelmente ovogônias. No germário estão presentes células somáticas e germinativas, sendo da linhagem germinativa, os cistoblastos, os cistócitos, os ovócitos e as futuras...
The ovaries of queens and workers of Apis mellifera differs in number and length of the ovarioles. Length and number of ovarioles are larger in queen than in workers. However, in both cases, the ovaries are functional, i.e., it is able of produce mature eggs. Despite of that, workers and queens differ very in fertility and mechanisms of controlling/inducing vitellogenesis. In colony conditions, queen’s vitellogenesis is triggered by the matting and in workers by the absence of the queen or of the receipt of information about its presence in the colony. After the age proper to mate or in workers advanced age, the ovaries enter in degeneration. The objective of the present work was the evaluating of the ovary development in queens and workers maintained caged outside of the colony conditionings and the effect of the narcosis with CO2, practice current in the beekeeping. Newly emerged queens and workers were caged with candy and water during 15 days. For the queens the effect of the mate delay and CO2 narcosis were studied using TUNEL and acid fosfatase reaction to evaluate cell damages. The cells of the terminal filament appear as rows of one single cell, with a rectangular shape, poor in organelles and with a big central nucleus. In the transition for the germarium the cells present a pyramidal form with their base widened resting on tunica propria and the apex directed to center of the ovariole. Below the region of transition to the germarium are spherical cells, probably the oogonia. In the germarium are found somatic (pre-follicular cells) and germinative (cystoblasts, the cystocists, the oocytes and the future nurse cells) cells. The queen’s ovaries develop normally until the mating age, 5 days old queens. About the 10 days, the virgin queen beginning to presents an ovariolar disorganization with big incidence of injured cells with characteristics of apoptosis and autofagic death... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Abelha, Femea, Ultraestrutura (Biologia), Morte celular, Narcose, Gás carbônico, Cell death, Narcosis, Carbon dioxide, Ultrastructure, Female

Como citar

BERGER, Bruno. Controles do desenvolvimento ovariano em abelhas africanizadas adultas, Apis mellifera Linné, 1758 (Hymenoptera, Apidae). 2009. 120 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2009.