Ação de compostos vegetais sobra a atividade da Piratoxina-I, isolada do veneno de Bothrops pirajai, em preparação neuromuscular de camundongos

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2011-07-15

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Os acidentes envolvendo as serpentes do gênero Bothrops se destacam no Brasil e em outros países da América Latina, representando 90% das notificações. O envenenamento botrópico é caracterizado por intensa mionecrose local que não é eficientemente neutralizada pelo único tratamento disponível, isto é, a soroterapia. Como conseqüência, em casos graves, este acidente pode levar a amputação de membros, desabilitando a vítima. Os principais responsáveis pelo desenvolvimento da mionecrose são proteínas com estruturas homólogas às enzimas fosfolipases A2 (PLA2s). Entre essas se destacam as variantes cataliticamente inativas que apresentam como característica um resíduo de lisina na posição 49 (Lys49-PLA2s). Tradicionalmente, as Lys49-PLA2s são consideradas miotoxinas não-neurotóxicas, uma vez que não induzem paralisia in vivo. No entanto, em preparações isoladas, tal efeito é observado. Recentemente, sugeriu-se que a paralisia muscular in vitro, da mesma forma que a lesão muscular, resultaria da atividade desestabilizadora de membrana da fibra muscular induzida por estas toxinas. O presente estudo teve como objetivo investigar a relação entre os efeitos miotóxico e paralisante das Lys49-PLA2s e contribuir para o esclarecimento do mecanismo de ação e da relação estrutura/atividade dessas toxinas. Sendo assim, realizaram-se estudos miográficos e morfológicos em preparações neuromusculares de camundongos utilizando a PrTX-I (Lys49-PLA2 isolada do veneno de Bothrops pirajai) e potenciais inibidores vegetais (ácido rosmarínico, ácido caféico e ácido aristolóquico). Os resultados obtidos mostraram as diferentes capacidades dos compostos vegetais em neutralizar os efeitos miotóxico e paralisante da PrTX-I. Assim, o ácido rosmarínico neutralizou ambos os efeitos eficientemente...
Accidents caused by Bothrops snake genus stand out in Brazil and other Latin American countries, representing 90% of notifications. Bothropic envenoming is characterized by intense local myonecrosis, not effectively neutralized by serum therapy, the only available treatment. As a result, in severe cases, these accidents can lead to amputation of limbs, disabling the victim. The main responsibles for myonecrosis development are proteins with homologous structures from enzymes phospholipase A2 (PLA2s). Among these stand out catalytically inactive variants that have a characteristic lysine residue at position 49 (Lys49-PLA2s). Traditionally, Lys49-PLA2s myotoxins are considered non-neurotoxic, since they do not induce paralysis in vivo. However, this effect is observed in isolated preparations. It was recently suggested that muscle paralysis in vitro, as well as muscle injury, would result from the destabilizing activity of the muscle fiber membrane induced by these toxins. This study aimed to investigate the relationship between paralyzing and myotoxic effects of Lys49-PLA2s and contribute to the elucidation of the mechanism of action and structure/activity relationship of these toxins. Therefore, myographical and morphological studies were performed in neuromuscular preparations of mice using PrTX-I (Lys49-PLA2 isolated from Bothrops pirajai venom) and potential inhibitors from plants (rosmarinic acid, caffeic acid and aristolochic acid) as experimental tools. The results showed the different skills of plant compounds to neutralize myotoxic and paralyzing effects of PrTX-I. Thus, the rosmarinic acid efficiently neutralized both effects, whereas caffeic acid only partially inhibited the... (Complete abstract click electronic access below)

Descrição

Palavras-chave

Serpente peçonhenta - Peçonha, Neuromuscular junction, Bothrops snake

Como citar

CARDOSO, Fábio Florença. Ação de compostos vegetais sobra a atividade da Piratoxina-I, isolada do veneno de Bothrops pirajai, em preparação neuromuscular de camundongos. 2011. 72 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Botucatu, 2011.