Prevalência de alterações bucais em bebês de 0 a 36 meses da bebê clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Unesp

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015-08-31

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

The aim of this study was to assess the prevalence of oral alterations in babies from 0 to 36 months of the Baby Clinic, Faculty of Dentistry of Araçatuba - UNESP, and its distribution according to the type, age and sex, in the period from January 2007 to December 2013. A total of 1492 records of babies, with 801 males and 691 females were analyzed. Only in 196 (13.13%) of them, it had a record of any alterations. It was recorded 20 types of alterations and, in some cases, there was a record of more than one alteration in the same child, but at different times, which were divided according to their clinical characteristics, into five groups: gum disease, oral diseases and dental, developmental and eruption alterations. The results showed a higher incidence of labial frenulum and Bohn nodule, both with 2.3%. According to gender, it was observed that the tooth fused occurred more frequently in females (0.86%) and the ankyloglossia was more prevalent in males with 1.24%. The other alterations appeared equivalents. In terms of age, there was a statistical difference between the ranges 0 to 6 months and 7-12 months at 6.84% and 4.21% respectively. Therefore, based on the obtained data, we conclude that the occurrence of oral abnormalities in babies is low (13.13%), prevailing in the age group 0-6 months and it is unrelated to the gender
O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de alterações bucais em Bebês de 0 a 36 meses da Bebê-Clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Unesp e sua distribuição de acordo com o tipo, faixa etária e sexo, no período de janeiro de 2007 a dezembro de 2013. Foram analisados um total de 1492 prontuários de bebês, sendo 801 do gênero masculino e 691 do gênero feminino. Apenas em 196 (13,13%) deles havia o registro de alguma alteração. Foram anotadas 20 tipos de alterações e, em alguns casos, houve o registro de mais de uma alteração na mesma criança, porém em épocas diferentes, que foram divididas de acordo com suas características clínicas, em cinco grupos: doenças gengivais, doenças bucais, alterações dentárias, alterações de desenvolvimento e alterações de erupção. Os resultados mostraram uma maior ocorrência de freio labial e nódulo de Bohn, ambos com 2,3%. De acordo com o gênero, observou-se que o dente fusionado ocorreu com maior frequência no gênero feminino (0,86%), já a anquiloglossia foi mais prevalente no gênero masculino com 1,24%. As outras alterações apareceram equivalentes. Em relação à faixa etária, houve uma diferença estatística entre as faixas de 0 a 6 meses e 7 a 12 meses com 6,84% e 4,21%, respectivamente. Portanto, com base nos dados encontrados podemos concluir que a ocorrência de alterações bucais em bebês é baixa (13,13%), prevalecendo na faixa etária de 0 a 6 meses e não tem relação com o gênero

Descrição

Palavras-chave

Odontopediatria, Medicina bucal, Patologia bucal, Lactente, Pediatric dentistry

Como citar

BARBOSA, Ana Flávia Gitti. Prevalência de alterações bucais em bebês de 0 a 36 meses da bebê clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - Unesp. 2015. 26 f. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Odontologia) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Faculdade de Odontologia de Araçatuba, 2015.