Capacidade antioxiante de extratos de Spirulina platensis

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2021

Autores

Amato, Beatriz Pinheiro [UNESP]
Bermejo-Poza, Rubén [UNESP]
Lionete, Tatiane Andrea
Chotolli, Andrey Piante [UNESP]
Gomes, Vinícius Oliveira [UNESP]
Ponsano, Elisa Helena Giglio [UNESP]
Grassi, Thiago Luís Magnani

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

UNESP

Resumo

Introdução: A busca por antioxidantes naturais como alternativas ao uso de antioxidantes sintéticos na dieta de pescado tornou-se alvo de pesquisa, já que os produtos sintéticos comumente utilizados podem apresentar riscos para o animal e para o consumidor final devido a seus efeitos tóxicos e carcinogênicos. Os antioxidantes naturais podem ser obtidos por diversas fontes, tais como as algas. A microalga Spirulina platensis possui carotenoides, compostos fenólicos e outros fitopigmentos com propriedades antioxidantes ativas. Essas substâncias podem ser concentradas em extratos, permitindo inclusões de menores quantidades nas dietas para proporcionar o efeito antioxidante na ração e na carne. Objetivos: Verificar a capacidade antioxidante dos extratos etanólico e acetônico de S. platensis. Métodos: Foram produzidos dois extratos de S. platensis obtidos a partir dos solventes etanol e acetona. A capacidade antioxidante total dos extratos foi analisada pelas metodologias ABTS (Erel 2004, 2005) e DPPH (Brand-Williams et al., 1995). O teor de carotenoides foi determinado colorimetricamente após a extração com dimetilsulfóxido e acetona. Os compostos fenólicos foram quantificados pela técnica de Folin-Ciocalteu modificada (Larrauri et al., 1997; Obanda, Owuor, 1997). Para a estatística, foi realizada uma análise prévia da normalidade das variáveis pelo teste de Shapiro-Wilk. O test t independente (não pareado) com 5% de significância foi utilizado para verificar a diferença entre os grupos. Resultados: A atividade antioxidante medida pelos métodos ABTS e DPPH, foi maior para o extrato acetônico do que para o extrato etanólico. Em relação aos compostos bioativos, o etanol foi capaz de extrair mais carotenoides, enquanto a acetona foi mais eficaz na extração dos compostos fenólicos (Tabela 1). Conclusão: Concluiu-se que o extrato cetônico apresentou maior capacidade antioxidante total do que o extrato etanólico. A maior parte da atividade antioxidante, pelos métodos ABTS e DDPH, do extrato acetônico foi devida aos compostos fenólicos extraídos pelo solvente acetona.

Descrição

Palavras-chave

Acetona, Atividade antioxidante, Carotenoides, Compostos fenólicos, Compostos bioativos, Etanol

Como citar

In: SIMPÓSIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL, 12.; SEMANA DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA, 20., 2021, Araçatuba. Anais... Araçatuba: UNESP, 2021. 2 p.