Resistência da parede abdominal após a remoção cirúrgica dos músculos retos abdominais: estudos experimental em ratos

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2009-04-07

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Foi realizado estudo experimental em ratos, visando avaliar o efeito da ablação cirúrgica dos músculos retos abdominais (MRA), nos padrões utilizados nos retalhos TRAM, sobre a resistência da parede abdominal. Utilizou-se 60 ratos machos da linhagem Wistar, divididos aleatoriamente em três grupos de 20 animais. No primeiro grupo removeu-se um dos músculos, no segundo, ambos e o terceiro grupo, controle, não foi submetido à cirurgia. Após 180 dias os animais foram sacrificados e submetidos a dois tipos de avaliação: aumento progressivo da pressão intracavitária, com o auxílio de um balão de silicone, para a observação do surgimento de abaulamentos ou hérnias, e teste de tração em dinamômetro, para quantificar a resistência da parede abdominal à tração. O segmento operado das paredes abdominais foi submetido à análise histológica. Constatou-se no primeiro teste não haver diferença significativa entre os três grupos. No teste da tração, as paredes abdominais submetidas à cirurgia apresentaram resistência significativamente maior do que as do grupo controle. A histologia evidenciou fibrose cicatricial madura, uniformemente distribuída, e fibras musculares em posição anatômica. Na análise estatística, para comparar os valores da pressão de ruptura (mmHg) e da Tração-Força Máxima (N) dos três grupos foi utilizada Análise de Variância de um fator. Quando o resultado do teste F foi estatisticamente significante, aplicou-se o Post-Hoc de Tukey para se identificar as diferenças. Concluiu-se que, no modelo utilizado, a remoção cirúrgica dos MRA não provoca redução na resistência da parede abdominal.
This experimental study was carried out in rats, with the purpose to evaluate the effect of the surgical ablation of the rectus abdominis muscles (RAM), in the patterns of the TRAM flap, on the resistance of the abdominal wall. Sixty male Wistar rats were used, divided randomly in three groups of twenty animals. In the first group, one of the muscles was removed, in the second, both and the third group, the control group, was not submitted to the surgery. After 180 days the animals were killed and submitted to two types of evaluation: an increase in the intracavitary pressure, with the help of a silicone balloon, to observe the emergence of bulge or hernia, and a test in a dynamometer to quantify the resistance of the abdominal wall to traction. The operated segment of the abdominal walls was submitted to histological analysis. In the first test, it was testified that there was no significant difference between the three groups. In the traction test, the abdominal walls submitted to the surgery showed a resistance significantly greater than the ones on the control group. Histology evidenced mature cicatricial fibrosis, evenly distributed, and muscular fibers in anatomical position. In the statistical analysis, to compare the values of rupture pressure (mmHg) and the Maximum Traction-Force (N) of the three groups it was used one-way Analysis of Variance. When the F test result showed to be statistically significant, the Tuckey test was applied to identify the differences. It was concluded that, in the used model, the surgical removal of the RAM didn’t cause a reduction in the abdominal wall resistance.

Descrição

Palavras-chave

Musculos - Cirurgia - Estudos experimentais, Hernia, Rat, Rectus abdominis, Resistance, Abdominal wall, Experimental surgery

Como citar

STRANG, Ricardo. Resistência da parede abdominal após a remoção cirúrgica dos músculos retos abdominais: estudos experimental em ratos. 2009. 101 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu, 2009.