Lugar de homem é na cozinha? um estudo sobre a organização do trabalho doméstico em uniões gays

Imagem de Miniatura

Data

2020-02-17

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A família, o reconhecimento de direitos da população LGBTQI+, a educação sexual e o gênero têm sido alvos de debates acalorados ao longo dos últimos anos, que giram em torno principalmente do questionamento de uma visão essencialista acerca da família e dos papéis de homens e mulheres na sociedade. Com a família e o gênero no centro dessas discussões, essa pesquisa tem como proposta investigar os sentidos atribuídos por casais gays cisgênero aos papéis que desempenham no trabalho doméstico. O trabalho doméstico tem sido um objeto de estudo útil para discutir as relações de gênero, no entanto, as pesquisas sobre papéis nas tarefas domésticas ainda são dominadas pela cisheteronormatividade. Nossa pesquisa com casais gays cisgêneros, a partir do referencial teórico da filósofa Judith Butler, se propõe a discutir e questionar estereótipos de gênero para além de um suposto destino anatômico, pretendendo ser uma contribuição para a educação sexual e os estudos de gênero. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de campo em que foram entrevistados três casais gays do interior do Estado de São Paulo. Após a coleta de dados foi realizada uma análise de conteúdo temática que resultou nas categorias: 1) divisão de tarefas cotidianas em função do companheirismo; 2) realização das tarefas diárias por necessidade; e 3) atividades e papéis reproduzidos a partir dos modelos da família de origem. A discussão aponta para a ideia de uma gestão de tarefas domésticas em casais gays ao invés da tradicional divisão sexual do trabalho doméstico em uniões heterossexuais, uma vez que a atribuição de papéis não ocorre por força de aspectos relacionados a estereótipos de gênero. Conclui-se que os casais entrevistados organizam o trabalho doméstico de forma não estereotipada, diferentemente do modelo imposto pelo regime cisheteronormativo.
The family, the recognition of LGBTQI+ rights, sex education and gender have been hotly debated over the last few years, which focus mainly on questioning an essentialist view of the family and the roles of men and women. in society. With family and gender at the center of these discussions, this research aims to investigate the meanings attributed by gay cisgender couples to the roles they play in housework. Housework has been a useful object of study for discussing gender relations, however, research on roles in household tasks is still dominated by cisheteronormativity. Our research with cisgender gay couples, based on philosopher Judith Butler's theoretical framework, aims to discuss and question gender stereotypes beyond a supposed anatomical destiny, claiming to be a contribution to sex education and gender studies. This is a qualitative field survey in which three gay couples from the interior of the state of São Paulo were interviewed. After data collection, a thematic content analysis was performed, which resulted in the following categories: 1) Division of daily tasks according to companionship; 2) Performing daily tasks by necessity; and 3) Activities and roles reproduced from the the models of the family of origin. The discussion points to the management of household chores in gay couples rather than the traditional sexual division of housework in heterosexual unions, since the allocation of roles does not occur due to aspects related to gender stereotypes. It is concluded that the interviewed couples organize domestic work in a non-stereotyped manner, differently from the model imposed by the cisheteronormative regime.

Descrição

Palavras-chave

Trabalho doméstico, Papéis de gênero, Homossexualidade, Homoafetividade, Gênero

Como citar