Efeito da própolis sobre a agressividade do tumor venéreo transmissível canino: ensaios in vitro

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2005

Autores

Silva, Sandra Bassani [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O tumor venéreo transmissível (TVT) é a segunda neoplasia de maior prevalência nos cães atendidos no Hospital Veterinário de Botucatu. Na associação entre o comportamento biológico do tumor e a clínica desses animais, há fortes diferenças em relação às apresentadas na literatura especializada no assunto. O TVT desperta, no meio científico, o interesse pela sua origem, modo de transmissão e questionável regressão espontânea, fato atribuído ao comportamento versátil desse tumor, diferindo dos mecanismos de outras neoplasias. Investigações têm sugerido fenômenos semelhantes aos que ocorrem nos tumores de outras espécies, inclusive no homem. A quimioterapia para o TVT é a mais indicada. Porém, traz efeitos colaterais extremamente tóxicos às células desses animais. Pesquisadores relatam a propriedade antitumoral in vitro da própolis sobre o grau de agressividade do TVT. Para tal, foram utilizadas células neoplásicas de 77 animais, sem distinção por raça, sexo e idade. Os animais foram provenientes do Hospital Veterinário da FMVZ - UNESP, Campus de Botucatu. As neoplasias foram divididas em três Grupos: TVT linfocitóide; TVT plasmocitóide e TVT misto. Nestas neoplasias, o índice de proliferação celular foi verificado pelo AgNOR e CEC, para auxiliar a averiguar o grau de agressividade do tumor. No final do estudo, foi possível observar que a própolis apresenta atividade antitumoral tempo-dose dependente sobre as células de TVT, incluindo nas do grupo plasmocitóide (considerada a de maior agressividade), onde, após 48 horas e na concentração de 100 æg, a atividade antitumoral é efetiva. Concluímos também que os marcadores de proliferação (AgNOR e CEC) mostram-se eficientes para monitorar a evolução do TVT e que, a avaliação clínica, morfológica e o estudo in vitro auxiliam no diagnóstico, na conduta terapêutica e na monitoração do TVT.
The transmissible venereal tumor is the second most common neoplasia among the dogs attended in the Veterinary Hospital of Botucatu. When neoplastic biological behavior and clinical findings are associated, intense differences were presented with the literature. In the scientific environment, interest in the origin of this tumor, the means of transmissible and questionable spontaneous regression, since this tumour has a versatile behavior, differs from that in other neoplasias. Studies have been done that show similar phenomena occurring in human neoplasias. Chemotherapy is advised for transmissible venereal tumor, but it has extreme toxicity for other cells. Investigators have related the antitumoral properties of propolis; so, this study aimed to verify the supposed antitumoral effect on the transmissible venereal canine tumor, in order to minimize the toxicity caused by chemotherapy. Seventy-seven animals from Veterinary Hospital of Botucatu, were used. Based on the cellular morphology stained with Giemsa, new nomenclature was created and the animals were divided into three groups: lymphocyte-like transmissible venereal tumor, plasmocyte-like transmissible venereal tumor and mixed transmissible venereal tumor. Proliferation markers (AgNOR and CEC) were used to verify whether there were malignancies, in different morphological groups and in the sensitivity to propolis, were studied in vitro. In this study, we saw that propolis showed activity on transmissible venereal tumor. After 48 hours and with 100 æg of propolis, the antitumoral activity was effective, including the plasmocyte-like transmissible venereal tumor, that showed cytotoxic effect only with the greatest dose and the longest time.

Descrição

Palavras-chave

Tumores em animais, Tumores - Cão - Estudos experimentais, Própole - Efeito antitumoral

Como citar

SILVA, Sandra Bassani. Efeito da própolis sobre a agressividade do tumor venéreo transmissível canino: ensaios in vitro. 2005. 104 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Botucatu, 2005.