O sistema está realizando uma manutenção regular. Resultados de buscas podem variar durante o processo.

Show simple item record

dc.contributor.advisorAntuniassi, Ulisses Rocha
dc.contributor.authorPanini, Rafael Luiz
dc.date.accessioned2019-04-02T13:29:47Z
dc.date.available2019-04-02T13:29:47Z
dc.date.issued2019-02-01
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/181319
dc.description.abstractO objetivo do presente trabalho foi determinar a velocidade das gotas geradas por uma ponta de jato plano de faixa ampliada (XR11003) em função de variações na tensão superficial e da viscosidade de caldas compostas por diluições de um surfactante e um óleo vegetal. Os adjuvantes utilizados foram o surfactante Agral e o óleo vegetal Natur’óleo, além de uma calda padrão (testemunha) composta apenas por água. Os ensaios foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado com 5 repetições. Para isso foram determinadas as viscosidades e tensão superficial para diferentes concentrações dos adjuvantes, bem como velocidade de gotas. As caldas pulverizadas foram amostradas em condições operacionais idênticas de pressão (2,8 bar), buscando a quantificação das velocidades de forma homogênea, em diferentes diâmetros de gota: 50, 100, 150, 200, 250, 300 e 350 µm. Os experimentos foram conduzidos para coleta na altura de pulverização de 30 cm em relação ao analisador de partículas em tempo real VisiSize Portable (Oxford Lasers Ltd / UK). Foram ajustados modelos para os dados de velocidade e tamanho de gotas, viscosidade e tensão superficial, assim como realizou-se a Análise de Variância para significância do modelo e o coeficiente de determinação múltipla. A análise de correlação foi empregada para verificar o efeito da viscosidade e tensão superficial sobre a velocidade de gotas. Os resultados mostraram que os modelos tridimensionais indicam a formação de gradiente ascendente da velocidade em função da viscosidade, ou seja, observou-se uma tendência de maiores velocidades para maiores valores de viscosidade. O inverso ocorreu para tensão superficial (gradiente descendente da velocidade em função da tensão superficial), ou seja, observou-se uma tendência de menores velocidades para maiores valores de tensão superficial. No entanto, não foram verificadas correlações significativas entre a tensão superficial ou viscosidade e as velocidades para cada tamanho de gota (p>0,05). Conclui-se, portanto, que para a ponta de pulverização XR 11003 na pressão de 2,8 bar, a velocidade de gotas não se correlaciona significativamente com tensão superficial e viscosidade das caldas. O modelo de regressão quadrático explica a relação entre tamanho de gota (de 50 a 350 µm) e velocidade para as caldas com surfactante e óleo vegetal, com maiores velocidades para as gotas maiores em ambas as caldas.pt
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.subjectVelocidade de gotaspt
dc.subjectTensão superficialpt
dc.subjectViscosidadept
dc.titleVelocidade das gotas geradas por pontas de jato plano de faixa ampliada em função da tensão superficial e da viscosidade da caldapt
dc.title.alternativeThe velocity of the droplets generated by flat-band jet tips extended as a function of the surface tension and viscosity of the syruppt
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.graduateProgramAgronomia (Energia na Agricultura) - FCApt
unesp.knowledgeAreaEnergia na agriculturapt
unesp.researchAreaTecnologia de aplicaçãopt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatupt
unesp.embargoOnlinept
dc.identifier.aleph000914533
dc.identifier.capes33004064021P7
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record