Show simple item record

dc.contributor.advisorGírio, Raul José Silva [UNESP]
dc.contributor.authorSilva, Carolina dos Santos [UNESP]
dc.date.accessioned2014-06-11T19:27:16Z
dc.date.available2014-06-11T19:27:16Z
dc.date.issued2008-06-18
dc.identifier.citationSILVA, Carolina dos Santos. Levantamento sorológico para leptospirose nos animais pertencentes ao Bosque Zoológico Municipal Dr. Fábio de Sá Barreto de Ribeirão Preto, estado de São Paulo. 2008. viii, 66 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2008.
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/94626
dc.description.abstractA leptospirose acomete todos os animais domésticos, selvagens e o ser humano. Alguns levantamentos sorológicos realizados têm demonstrado o envolvimento de espécies selvagens na epidemiologia da doença. Uma vez que populações cativas de animais selvagens são pouco estudadas, principalmente no Brasil, o presente estudo teve como objetivos a realização de um levantamento sorológico para leptospirose no Bosque Zoológico Municipal Dr. Fábio de Sá Barreto localizado na cidade de Ribeirão Preto, SP, por meio da prova de Soroaglutinação Microscópica (SAM) em amostras de soro sanguíneo de aves, peixes, répteis e mamíferos cativos, animais sinantrópicos e de vida livre e também de funcionários. Foi realizada uma distribuição dos animais reagentes dentro do zoológico a fim de se verificar os locais de risco de exposição às leptospiras. Durante o período de março a outubro de 2006 foram colhidas 388 amostras de sangue de 110 répteis, 143 aves, 110 mamíferos e 25 peixes. Dentre as 388 amostras analisadas, 339 foram de animais cativos e 49 foram de animais de vida livre selvagens, sinantrópicos e domésticos capturados pelo uso de armadilhas distribuídas dentro do zoológico. Foram colhidas amostras de soro de 15 funcionários do zoológico entre tratadores, técnicos, manutenção, estagiários e todas foram negativas na SAM. Do total de amostras de soro sanguíneo de animais examinadas, 112 (28,9%) foram reagentes para leptospirose, sendo 100 (29,4%) amostras de animais cativos e 12 (24,5%) de animais de vida livre. Os setores do zoológico onde foram encontrados mais animais reagentes cativos foram o Tanque das Tartarugas (60%), o Jardim Japonês (50%) e a Praça das Aves (36,6%). Os títulos sorológicos nas amostras reagentes variaram de 40 a 5.120 com predominância dos títulos 40 e 80 e os sorovares Patoc, Andamana, Canicola, Icterohaemorrhagiae e Panama foram os mais freqüentes.pt
dc.description.abstractNot available.en
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
dc.format.extentviii, 66 f. : il.
dc.language.isopor
dc.publisherUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.sourceAleph
dc.subjectAnimais de zoologico - Doençaspt
dc.subjectLeptospirosept
dc.subjectAnimais selvagenspt
dc.subjectSorovarespt
dc.titleLevantamento sorológico para leptospirose nos animais pertencentes ao Bosque Zoológico Municipal Dr. Fábio de Sá Barreto de Ribeirão Preto, estado de São Paulopt
dc.typeDissertação de mestrado
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.graduateProgramMedicina Veterinária - FCAVpt
unesp.knowledgeAreaMedicina veterinária preventivapt
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabalpt
dc.identifier.aleph000585822
dc.identifier.filesilva_cs_me_jabo.pdf
dc.identifier.capes33004102072P9
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record