O impacto do Método Mãe Canguru no processo de aprendizagem de prematuros de baixo peso: Revisão da literatura

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2014

Autores

Franco, Mariana de Paiva
Alves, Cristiane Paiva [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

Technology advances and scientific studies in Neonatal Intensive Care Units (NICU) have contributed significantly to reduce mortality and morbidity of at-risk newborns (NB). However, they are more likely to present neurological and/or developmental psychomotor delay with neurological and sensory alterations. Therefore, proposals for neonatal intervention were developed with the aim of protecting the baby and offering appropriate incentives to minimize the effects of hospital intervention. To this end, programs of protective measures such as the Kangaroo Mother Care (KMC) were developed. Given the relevance of the issue described, this systematic review critically appraises articles from the national and international literature, published in recent years (from 2000 to 2011), that describe whether the KMC can be a protective factor for the development of writing in premature infants. The textual search was conducted using the Virtual Health Library (VHL), a website that covers publications worldwide, allowing access to articles from health science, including LILACS, IBECS, MEDLINE, Cochrane Library and SciELO, as database. The findings revealed that infants who participated in the KMC program showed improvements in their development and that factors such as low-birth-weight prematurity and learning disorders have close relationship with the onset of motor impairments and changes in psychomotor development. The findings showed no articles describing the KMC as a protective factor for the incidence of dysgraphia. Thus, we emphasize the importance of conducting further studies on these topics.
Os avanços da tecnologia e dos estudos científicos nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) contribuíram significativamente para a diminuição da mortalidade e da morbidade de recém-nascidos (RN) de risco, porém, eles continuam mais propensos a apresentar comprometimento neurológico e/ou retardo no desenvolvimento neuropsicomotor, com alterações neurológicas e sensoriais. Diante disso, surgiram propostas de programas de intervenção neonatal com o objetivo de resguardar o bebê e oferecer estímulos adequados para minimizar os efeitos das intervenções, com medidas protetoras, entre elas o Método Mãe Canguru (MMC). Face à relevância do tema descrito, esta pesquisa teve como objetivo realizar um levantamento bibliográfico de artigos nacionais e internacionais publicadas nos últimos anos (2000 a 2011) que descrevem de que maneira o MMC pode ou não agir como fator protetivo ao desenvolvimento da escrita em prematuros. Para a busca textual foi eleita a Biblioteca Virtual em Saúde – BVS, por se tratar de um site que abrange publicações mundiais, permitindo acesso a artigos da Ciências da Saúde, em geral tendo LILACS, IBECS, MEDLINE, Biblioteca Cochrane e SciELO como bases de dados. Os resultados encontrados nos artigos revelaram que os RN que participaram do MMC apresentaram melhoras no desenvolvimento e que fatores como a prematuridade, baixo peso ao nascer e distúrbios de aprendizagem estão fortemente correlacionados com deficiências motoras e alterações no desenvolvimento psicomotor. Concluiu-se que não foram encontrados artigos que descrevem o MMC como fator protetivo ao aparecimento da disgrafia. Sendo assim, acredita-se ser de grande importância a condução de futuros estudos sobre esses temas.

Descrição

Palavras-chave

revisao bibliografica, metodo mae canguru, Prematuros, disgrafia

Como citar

Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 22, n. 1, p. 163-174, 2014.