Influência do alongamento prévio no pico de torque e na taxa de força em exercício de contração isométrica

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2009

Autores

Oliveira, André Luis Morais de [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

The objective of this study was to investigate the influence of previous active static stretch on the isometric peak torque (PT) and rate of force development (RFD) measured from different time intervals from the beginning of muscle contraction. Participated of this study 15 male individuals, apparently healthy, with ages between 18 and 25 years, without regular physical activity practice. The individuals were submitted in different days to the following tests: 1) Familiarization session to the isokinetic dynamometer; 2) Two maximal isometric concentric contractions for knee extensors in isokinetic dynamometer to determine PT and RFD (Control), and; 3) Two active static stretching exercises for the dominant leg extensors (10 x 30 s for each exercise, with 20 s of rest). After the stretching, the isokinetic test was repeated (Post-Stretching). The conditions 2 and 3 were performed in random order. The RFD was considered as the mean slope of the moment-time curve at time intervals of 0-30, 0-50 and 0-100ms relative to the beginning of muscle contraction. It was verified significant reduction for both maximal RFD and PT after the stretching (p < 0.05). At intervals of 0- 30ms, 0-50ms and 0-100ms, the RFD at the conditions with stretching was similar to the RFD without stretching (p > 0.05). At intervals of 0-150ms and 0-200ms, the RFD obtained at the contraction without stretching was significantly higher that that obtained at the contraction with stretching (p < 0.05). It can be concluded that the static stretching, performed with duration of 600 s diminish isometric PT, maximal RFD and RFD measured at late phase (> 100 ms) of muscle contraction.
O objetivo deste estudo foi analisar influência do alongamento prévio estático ativo no pico de torque isométrico (PT) e na taxa de desenvolvimento de força (TDF) medida a partir de diferentes intervalos de tempo do início da contração muscular. Participaram deste estudo 15 indivíduos do gênero masculino, aparentemente saudáveis, com idade entre 18 e 25 anos, e sem prática regular de atividades físicas. Os indivíduos foram submetidos, em dias diferentes, aos seguintes protocolos: 1) Familiarização ao teste no dinamômetro isocinético; 2) Duas contrações isométricas máximas para os extensores do joelho em um dinamômetro isocinético para determinar o PT e a TDF (Controle) e; 3) Dois exercícios de alongamento estáticos ativos para os músculos extensores do joelho da perna dominante (10 x 30 s para cada alongamento, com recuperação de 20 s). Após o alongamento, o teste isocinéticos foi repetido (Pós-Alongamento). As condições 2 e 3 foram realizadas em ordem aleatória. A TDF foi considerada como a inclinação média da curva momento-tempo nos intervalos de tempo de 0- 30, 0-50 e 0-100ms relativo ao início da contração muscular. Verificou-se diminuição significante tanto da TDF máxima quanto o PT após o alongamento (p < 0,05). Para os intervalos de 0-30ms, 0-50ms e 0-100ms a TDF na condição com alongamento foi similar à TDF sem alongamento (p > 0,05). Nos intervalos 0-150ms e 0-200ms, a TDF obtida na contração sem alongamento foi significantemente maior que a obtida na contração com alongamento (p < 0,05). Pode-se que concluir que o alongamento estático, realizado com duração de 600 s diminui o PT isométrico, a TDF máxima e a TDF medida na fase tardia (> 100 ms) da contração muscular.

Descrição

Palavras-chave

Esportes - Treinamento técnico, Alongamento, Flexibilidade, Força muscular, Isocinético, Flexibility, Muscular strenght, Exercise

Como citar

OLIVEIRA, André Luis Morais de. Influência do alongamento prévio no pico de torque e na taxa de força em exercício de contração isométrica. 2009. 19 f. Trabalho de conclusão de curso (licenciatura - Educação Física) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2009.