O enteado, de Juan Saer: narrativa poética e romance histórico?

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2008-12-19

Autores

Micali, Danilo Luiz Carlos [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Em O enteado (2002), de Juan José Saer, tem-se um velho narrador que conta de forma poética a sua história, uma singular experiência de vida. Quando jovem, ele viajava como grumete num navio que costeava a Bacia do Rio da Prata, quando presenciou o ataque súbito e posterior massacre da tripulação do barco pelos índios da região. Como único sobrevivente da carnificina, é praticamente adotado pelos selvagens, passando a conviver com eles, sem saber ao certo a razão de ter sido poupado. Mas a maneira de viver daqueles índios revelou-se bem estranha, pois eram antropófagos, faziam sexo em grupo (orgias), morriam muito cedo, e a peculiar linguagem que praticavam dificultava o aprendizado da língua, e, conseqüentemente, da própria cultura. Assim, esse livro tacitamente promove um debate sobre a Conquista Hispânica da América, do ponto de vista particular de um narrador que constrói poeticamente a sua visão daquele passado, que não diz respeito a nenhum fato histórico preciso. Mas, enquanto a historicidade desse texto transparece nas suas entrelinhas, a sua imanente poesia define o seu aspecto de prosa poética, senão de narrativa poética, traços que apontam para um possível hibridismo literário nesse romance.
In El Entenado (2002), by Juan José Saer, there is an elderly narrator who, in a poetic fashion, tells his story, a unique experience of life. In his youth he was travelling as a grummet on a ship coasting the Plata River Basin, when he was forced to witness the sudden attack and further massacre of the boat crew by the local native people. As the only survivor of the slaughter, he is practically adopted by the natives, starting to live among them, without knowing the real reason for having been spared. But the way of living of those natives proved very strange, since they were cannibals, had group sex (orgies), died very young, and the peculiar language they used made it very diffi cult to learn the language and, consequently, their very culture. As a result, this novel tacitly promotes a discussion about the Hispanic conquest of the Americas, from the particular viewpoint of a narrator that poetically builds his vision of that past, without any regard for historical precision. Nevertheless, while the historicity of the text can be read between the lines, its intrinsic poetry is the source of poetic prose, or even of poetic narrative, leading us to see in it traces of literary hybridism.

Descrição

Palavras-chave

Saer, El Entenado, Historicity, Poeticism, Cannibalism, Identity, Otherness, O enteado, Historicidade, Poeticidade, Canibalismo, Identidade, Alteridade

Como citar

Itinerários: Revista de Literatura, n. 27, 2008.

Coleções