Representações da velhice em alguns contos de Guimarães Rosa e Mia Couto

Imagem de Miniatura

Data

2013-02-27

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Esta dissertação realiza um estudo comparado dos contos “Presepe”, “Tarantão, meu patrão”, da novela “Uma estória de amor (A festa de Manuelzão)”, de João Guimarães Rosa, e “Nas águas do tempo”, “A casa marinha”, “Noventa e três”, “Sangue da avó manchando a alcatifa” e “A avó, a cidade e o semáforo”, de Mia Couto, com o objetivo de verificar as representações da velhice. O corpus foi organizado no sentido de aproximar os contos com estruturação análoga, pois apresentam personagens velhos em situações que, embora distintas, mantêm diálogo entre si. Enfatizamos, como fios condutores da análise, os temas: alteridade, abandono, solidão, sabedoria, morte, valorização da experiência, transmissão da tradição e ancestralidade, num diálogo intertextual com os discursos sociológicos e antropológicos sobre a velhice. Podemos constatar que Guimarães Rosa resgata, na figura do velho, a do contador de estórias. O mundo arcaico, rural, em que os contadores são valorizados, é trazido pelo autor, em plena década de 50, do século passado, momento em que o Brasil voltava-se para a modernização. Os narradores rosianos, griots modernos, além de prestigiarem os personagens pela experiência que possuem, desconstroem, com suas estórias, cheias de embustes e ocultamentos, alguns estereótipos ligados à figura do velho. Mia Couto, ao colocar os seus personagens velhos na situação de excluídos, parece querer enfatizar que o período pós-independência de Moçambique esqueceu os valores culturais. Os seus narradores, griots modernos, jogam com a crítica política e social, uma vez que as dicotomias entre a tradição, ligada ao meio rural, e a modernização, ao universo da cidade, são gritantes nos contos. A tradição torna-se um lugar utópico, impossível de ser retomado, e a modernização, espaço de exclusão social, não só dos idosos, mas daquele
This dissertation performs a comparative study of stories Presepe, Tarantão, meu patrão, of the novel Uma estória de amor (A festa de Manuelzão), by João Guimarães Rosa, and Nas águas do tempo, A casa marinha, Noventa e três, Sangue da avó manchando a alcatifa and A avó, a cidade e o semáforo, by Mia Couto, in order to verify the representations of old age.The corpus was organized approximating the stories with similar structuring, as show old characters in situations which, although distinct, maintain dialogue with each other. We emphasize, mainly, the topics: otherness, abandonment, solitariness, death, wisdom, valorization of experience, transmission of tradition and ancestry in an intertextual dialogue with sociological and anthropological discourses about old age. We verified that Guimarães Rosa reinstates, in the figure of the old man, the storyteller. The archaic world, rural, where the storytellers are valued, is brought by the author, in the middle of the last century, at which time the Brazil returned to the modernization. The narrators, modern griots, render important the characters through the experience which have, deconstruct, with their stories, full of stratagems and hides, some stereotypes associated to the figure of the old. Mia Couto, to bring into some particular condition their old characters in the situation of excluded, seems to want to emphasize that the post-independence period in Mozambique forgot the cultural values. Their narrators, modern griots, bring social and political criticism, since the dichotomies between tradition, associated to rural areas, and modernization, to the universe of the city, are evident in stories. The tradition becomes a utopian place, impossible to be resumed, and modernization, place social exclusion, not only elderly people, but those who have no voice or time

Descrição

Palavras-chave

Rosa, João Guimarães, 1908-1967 - Crítica e interpretação, Couto, Mia, 1955 - Crítica e interpretação, Literatura brasileira - História e crítica, Contos brasileiros - História e crítica, Velhice na literatura, Brazilian literature

Como citar

MENDONÇA, Elizabeth da Silva. Representações da velhice em alguns contos de Guimarães Rosa e Mia Couto. 2013. 198 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2013.