Efeitos de uma intervenção em grupo em habilidades sociais para universitários na perspectiva da análise do comportamento

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2017-10-05

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

O termo habilidades sociais (HS) é utilizado para indicar um conjunto de comportamentos aprendidos e necessários nas interações sociais. O estudo das habilidades sociais e suas aplicações torna-se relevante porque tais comportamentos colaboram para desempenhos sociais satisfatórios. A universidade exige diversos repertórios dos alunos, incluindo os interpessoais, contudo, a literatura ainda carece de estudos experimentais quanto a efeitos de intervenções. Este estudo objetivou avaliar os efeitos de um treinamento de habilidades sociais para universitários em dois desenhos experimentais: o experimental de grupo e o delineamento de linha de base múltipla de sujeito único. No estudo experimental de grupo participaram 14 universitários, 9 no Grupo Experimental (GE) e 5 no Grupo Controle (GC), avaliados quanto à HS e saúde mental (SM). O GE foi avaliado no pré-teste, passou pela intervenção, em seguida pelo pós-teste e, seis meses depois, seguimento. Enquanto que, o GC passou pela avaliação de linha de base (LB) 1 e, 3 meses depois, período que o grupo experimental passava pela intervenção, a LB 2. O tratamento dos dados, utilizando estatísticas descritivas e inferenciais, apontou melhora significativa para o GE nas avaliações de pós-teste e seguimento. A mesma análise entre as LB 1 e LB 2 do GC não indicou mudança estatisticamente significativa, sugerindo que os ganhos do GE podem ser atribuídos à intervenção. Assim, os dados expõem ampliação do repertório de HS e diminuição de indicadores de ansiedade e depressão apenas no GE. O estudo com delineamento de ensaio clínico randomizado contou com a participação de 5 universitários, avaliados no âmbito das HS e de SM. Os universitários foram avaliados na LB 1, três meses depois na LB 2, passaram pela intervenção, pós-teste e, seis meses depois, reavaliados no seguimento. Os resultados não apontaram mudanças significativas entre as avaliações de LB 1 e 2, já entre LB 2 e pós-teste, há indicativos de ampliação do repertório de HS, principalmente dos participantes que fizeram as tarefas de casa, e melhora em indicadores de SM, também foi observada a manutenção de resultados no seguimento. De maneira geral, os dados de pós-teste e, principalmente, de seguimento indicaram que a intervenção teve efeitos na promoção do repertório de HS e na redução de sintomas de ansiedade e depressão em universitários. Diante disso, discute-se a validade da intervenção descrita neste estudo enquanto política pública a ser adotada para os anos iniciais da universidade.
The term social skills are used to indicate a set of behaviors learned and needed in social interactions. The study of social skills and their applications become relevant because such behaviors contribute to satisfactory social performance. The university requires diverse student repertoires, including the interpersonal ones, and the literature still lacks experimental studies on the effects of interventions. This study aimed to evaluate the effects of a social skills training for university students in two experimental designs: the experimental group and the single subject multiple baseline design. In the experimental group study, 14 university students participated, 9 in the Experimental Group (EG) and 5 in the Control Group (CG), evaluated for social skills and mental health. The EG was evaluated in the pre-test, followed by the intervention, then by the post-test and, six months later, follow-up. Meanwhile, the GC underwent baseline assessment (BL) 1 and, 3 months later, the period the experimental group went through the intervention, BL 2. Data treatment, using descriptive and inferential statistics, indicated a significant improvement for the EG in the post-test and follow-up evaluations. The same analysis between the BL 1 and LB 2 of the CG did not indicate a statistically significant change, suggesting that the gains of the EG can be attributed to the intervention. Thus, the data show an increase in the social skills repertoire and a decrease in anxiety and depression indicators in the EG alone. The study with a randomized clinical trial design consisted of the participation of 5 university students, evaluated in the scope of social skills and mental health. The students were evaluated in LB 1, three months later in LB 2, underwent the intervention, post-test and, six months later, reassessed in the follow-up. The results did not indicate significant changes between the LB 1 and 2 assessments, between LB 2 and post-test, there are indicative of the expansion of the social skills repertoire, mainly of the participants who did the housework, and improvement in mental health indicators, maintenance of follow-up results was also observed. In general, post-test data, and mainly follow-up data, indicated that the intervention had effects on the promotion of HS repertoire and the reduction of anxiety and depression symptoms in university students. Therefore, the validity of the intervention described in this study is discussed as a public policy to be adopted for the initial years of the university.

Descrição

Palavras-chave

Universitários, Habilidades sociais, Método experimental, Política pública, University, Social skills, Experimental method, Public policy

Como citar