Alterações mitocondriais induzidas pela doxorrubicina e potencial protetor da Alda-1 em cardiomioblastos

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-01-10

Autores

Silva, Leandro Lopes

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A doxorrubicina (DOX) é uma antraciclina isolada da actinobacteria Streptomyces peucetius e amplamente utilizada na terapia antineoplásica. Entretanto, apesar da sua eficácia, a DOX pode promover quadros de cardiotoxicidade que limitam a quimioterapia e diminuem a qualidade de vida dos pacientes. A literatura científica sugere que a toxicidade induzida pela DOX pode estar associada à disfunção mitocondrial, a qual resulta em aumento da produção de espécies reativas de oxigênio (EROs), em danos no DNA mitocondrial e na diminuição da produção de energia. Nesse contexto, a enzima mitocondrial aldeído-desidrogenase 2 (ALDH2) tem papel importante, pois atua na proteção contra os efeitos do estresse oxidativo. Contudo, sabe-se que a DOX pode provocar redução na atividade da ALDH2, tornando o tecido cardíaco suscetível a alterações decorrentes de processos como a lipoperoxidação. Reconhecida como um importante ativador da ALDH2, a Alda-1 é um potencial agente terapêutico que vem sendo testado contra os efeitos colaterais da DOX. Diante dessas premissas, o presente estudo teve por objetivo investigar se mecanismos mitocondriais estão associados à cardiotoxicidade induzida pela DOX e a possível ação protetora da Alda-1. Mais especificamente, foram avaliados, em cardiomioblastos (linhagem H9c2) de ratos tratados in vitro com a DOX e a Alda-1, a viabilidade celular, a geração de EROs mitocondrial e a massa e o potencial de membrana mitocondrial. Para isso, foram realizados ensaios utilizando citometria de fluxo e o MTS [3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-5-(3-carboximetoxifenil)-2-(4- sulfofenil)-2H-tetrazolium]. Os resultados confirmaram os efeitos da DOX sobre as mitocôndrias (massa, estresse oxidativo e polarização da membrana) de células cardíacas e demonstraram que a Alda-1, nas condições testadas, não apresentou atividade protetora sobre a organela. Contudo, outras análises devem ser realizadas, a fim de melhor entender o potencial cardioprotetor da Alda1 sobre a ação da DOX.

Descrição

Palavras-chave

Estresse oxidativo, Doxorrubicina, Cardiotoxicidade, Mitocôndria

Como citar