Aplicação clínica da capnografia volumétrica em cão submetido à manobra de recrutamento alveolar durante herniorrafia diafragmática - relato de caso

Imagem de Miniatura

Data

2024-02-24

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Este estudo teve como objetivo a avaliação e a monitoração pela capnografia volumétrica da ventilação mecânica de um paciente canino submetido à manobra de recrutamento alveolar durante procedimento de herniorrafia diafragmática traumática. Uma cadela de quatro anos e um mês de idade, sem raça definida, 10kg, foi admitido no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus Botucatu, com histórico de atropelamento há dois dias. Desde então, o paciente apresentou dispnéia progressiva, apatia e dor. Após o primeiro atendimento, o serviço de Anestesiologia Veterinária foi solicitado para implementação de um protocolo analgésico visando a realização subsequente de exames hematológicos e de imagem. Uma ruptura diafragmática foi identificada, indicando a necessidade de intervenção cirúrgica de emergência. Após a prévia estabilização do paciente, este foi encaminhado para a sala cirúrgica para o início do procedimento. Posteriormente à indução anestésica, a ventilação mecânica foi iniciada no modo SIMV – PC. O paciente apresentou hipercapnia associada a hipoxemia grave, mesmo após a administração de um bloqueador neuromuscular, alta frequência respiratória, FiO2 100% e pressão de pico inspiratória de 12 cmH2O, resultando em volume corrente final de 7 mL/kg. Neste momento, a capnografia volumétrica evidenciou ausência de ventilação alveolar, o que foi congruente com as complicações observadas. Após a realização da manobra de recrutamento alveolar, foi observada melhora na saturação periférica de oxigênio da hemoglobina, na relação PaO2/FiO2, bem como na complacência pulmonar. Após a manobra de recrutamento alveolar, foi observado que o volume de espaço morto representava aproximadamente 9 mL/kg, o que exigiu a mudança para o modo de ventilação VCV aumentando o volume corrente para 15mL/kg, com o objetivo de manter uma ventilação alveolar de 5 a 6 mL/kg. Com o aumentando do volume corrente guiado pela capnografia volumétrica foi possível identificar a fase 3 da onda capnográfica, correspondente à ventilação alveolar, o que permitiu a redução da FiO2 e a normalização de parâmetros ventilatórios como CO2 e pH. A aplicação clínica da capnografia volumétrica proporcionou a identificação de parâmetros ventilatórios individualizados e serviu como um guia útil para otimização da ventilação mecânica em situações clínicas desafiadoras.

Descrição

Palavras-chave

Capnografia volumétrica, Hérnia diafragmática, Recrutamento alveolar, Ventilação alveolar, Ventilação mecânica

Como citar