Show simple item record

dc.contributor.authorCampos, Sergio [UNESP]
dc.contributor.authorPiza, Mariana Wagner de Toledo [UNESP]
dc.contributor.authorMileski, Milena Montanholi [UNESP]
dc.contributor.authorCarrega, Ellen Fittipaldi Brasílio [UNESP]
dc.contributor.authorSoares, Muriel Ciccati Emanoele [UNESP]
dc.contributor.authorSiervo, Mariana di [UNESP]
dc.contributor.authorPupo, Gabriel Rondina da Silveira [UNESP]
dc.date.accessioned2016-04-01T18:45:44Z
dc.date.available2016-04-01T18:45:44Z
dc.date.issued2010
dc.identifierhttp://dx.doi.org/10.17271/1980082762201094
dc.identifier.citationFórum Ambiental da Alta Paulista, v. 6, n. 2, p. 188-195, 2010.
dc.identifier.issn1980-0827
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/137459
dc.description.abstractO grande desafio da população mundial é a conservação ambiental, pois as Áreas de Preservação Permanentes, que têm papel vital dentro de uma microbacia, por serem responsáveis pela manutenção, preservação e conservação dos ecossistemas ali existentes. O presente trabalho visou analisar os conflitos de uso do solo em áreas de preservação permanentes (APPs) da microbacia do Alto Capivara - Botucatu (SP) através do uso de Sistema de Informações Geográficas e de imagem de satélite digital. A área com 4551,19ha, situa-se entre as coordenadas geográficas: 22o 51’ 57” a 22o 57’ 55” de latitude S e 48o 21’ 58” a 48o 26’ 38” de longitude WGR. O mapa de uso do solo de 2006 foi obtido a partir da classificação supervisionada em imagem de satélite digital de 23/10/2006. Na identificação digital dos alvos foram utilizadas as chaves de interpretação para imagens e as áreas foram determinadas através do software SIG – IDRISI. Os conflitos de uso nas áreas de preservação permanente foram analisados ao longo da rede de drenagem e das nascentes, conforme itens dos artigos 2º e 3º da Resolução nº 303 do CONAMA. A área de APP discriminada ao longo da rede de drenagem foi de 416,5ha (9,15%) . No entanto, 201,15ha da área de APP está ocupada com pastagem (48,3%), reflorestamento (1,23%) e 0,48% por área urbana de forma inadequada (conflito). Portanto, quase 50% de área de APP vem sendo parcialmente utilizada adequadamente.pt
dc.format.extent188-195
dc.language.isopor
dc.relation.ispartofFórum Ambiental da Alta Paulista
dc.sourceCurrículo Lattes
dc.subjectMicrobaciapt
dc.subjectSensoriamento Remotopt
dc.subjectSoftware CARTALINXpt
dc.titleUso inadequado de áreas de preservação permanentept
dc.typeArtigo
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (UNESP)
dc.description.affiliationUnespUniversidade Estadual Paulista, Departamento de Engenharia Rural, Faculdade de Ciências Agronômicas de Botucatu
dc.identifier.doi10.17271/1980082762201094
dc.rights.accessRightsAcesso aberto
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatupt
dc.identifier.fileISSN1980-0827-2010-06-02-188-195.pdf
unesp.departmentEngenharia Ruralpt
Localize o texto completo

Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record