Racismo institucional e violência policial: análise simbólica a partir do PROERD

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2019-09-26

Orientador

Jardim, Maria Aparecida Chaves

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Ciências Sociais - fclar

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Trabalho de conclusão de curso

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (inglês)

Since its inception, this research had the general objective of contributing from the symbolic approach, with the discussions about the institutional racism in the police violence. However, from an analysis of the policies for the racial equality of the Lula governments (fundamentally) and especially from these policies linked to education, we look at the school and, more precisely, what has become our empirical locus: O Proerd To understand how at that time there was a symbolic transgression of public policies in favor of racial equality, while the police continued to reproduce racist beliefs. We conclude that institutional racism is maintained and reproduced, and in explaining the institutionality of racism through culture, habitus dispositions and cognitive conventions, starting from Mary Douglas and Pierre Bourdieu, we developed at this moment the research (becoming the course work), what we had already called cognitive racism. To the same extent that from the analysis of Proerd, we seek to identify how this program works, how it is within the classroom and above all reproduce racist and violent stigmas or not.

Resumo (português)

Esta pesquisa teve desde o seu início, o objetivo geral de contribuir a partir da abordagem simbólica, com as discussões sobre o racismo institucional na violência policial. No entanto, a partir de uma análise das políticas em prol da igualdade racial dos governos Lula (fundamentalmente) e principalmente a partir dessas políticas atreladas a educação, nos debruçamos a olhar a escola e mais precisamente, o que se tornou nosso lócus empírico: O Proerd. Para entender como naquele momento houve uma transgressão simbólica das políticas públicas em prol da igualdade racial, enquanto a polícia (braço do estado) continuava a reproduzir crenças racistas. Concluímos que o racismo institucional se mantém e se reproduz, e na explicação da institucionalidade do racismo através da cultura, das disposições de habitus e das convenções cognitivas, a partir de Mary Douglas e Pierre Bourdieu, desenvolvemos neste momento da pesquisa (transformando-se no trabalho de conclusão de curso), aquilo que já havíamos chamado de racismo cognitivo. Na mesma medida em que a partir da análise do Proerd, buscamos identificar como funciona esse programa, como ele é dentro da sala de aula e sobretudo se reproduzem os estigmas racistas e violentos ou não.

Descrição

Idioma

Português

Como citar