Um Modelo para Análise do Balanço e Eficiência Energética na Logística de Transporte Dutoviário para Exportação do Etanol.

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2015

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Tipo

Artigo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (inglês)

This paper analyzed the energy flow of a route currently designed to transport ethanol from the Midwest region of Brazil for exportation, more precisely from the city of Aparecida do Taboado (MS) to the port of São Sebastiao (SP). The route studied a single modal combined into two pieces, duct - duct. The direct and indirect energy, involved in the operations were used to account for the inputs and outputs of energy from and into the system. The energy input and output were the variables, diesel fuel, lubricants, greases, indirect energy consumption of machinery and equipment, power consumption of labor, the energy consumption and energy consumption in depreciation and maintenance of roads. We found that this route has specific energy consumption of 0,14 MJ km-1 m-3 . The Net Energy Gain (GEl), the Energy Efficiency global (EEg) and Renewable Energy Balance (BEr), which were the energy indicators adopted in this study were obtained respectively: 1.585.958.977,00 MJ; 200,72 and 1.593.900.000,00MJ.

Resumo (português)

O presente trabalho analisou o fluxo energético considerando uma rota atualmente projetada para o escoamento de etanol da região Centro-Oeste do Brasil para exportação, mais precisamente, do município de Aparecida do Taboado (MS) até o porto de São Sebastião (SP). A rota estudada, com 837 km percorridos, teve um único modal combinado em dois trechos, duto-dutoviário. Foram utilizados fatores energéticos, diretos e indiretos, envolvidos nas operações para contabilizar os inputs e outputs do sistema, tais como: óleo diesel, lubrificantes, graxas, consumo de energia indireta de máquinas e equipamentos, o consumo de energia de mão de obra, o consumo de energia elétrica e o consumo de energia na depreciação e manutenção das vias, considerados no modelo proposto. O resultado obtido desta rota foi um consumo específico de energia de 0,14 MJ km-1 m-3. Quando contabilizados o Ganho Energético líquido (GEl), a Eficiência Energética global (EEg) e o Balanço Energético renovável (BEr), que foram os indicadores energéticos adotados, obteve-se respectivamente: 1.585.958.977,00 MJ; 200,72 e 1.593.900.000,00 MJ.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Energia na Agricultura, v. 30, n. 1, p. 87-93, 2015.

Itens relacionados

Financiadores