Mulheres, matemática e a proposta curricular das escolas de primeiras letras: uma perspectiva da ética discursiva habermasiana

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2022-06-06

Autores

Peralta, Deise Aparecida [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru.

Resumo

In this text, I present Jürgen Habermas's Discursive Ethics with a potential to diagnose political discourses that express gender relations and issues. Therefore, in structural terms, after a brief introduction that justifies Habermas's adaptation to the feminist debate, there follow an explanation of his philosophical project, and a section that deals with a historical condition of women in Brazil that, revealing exclusion from the linguistic community, illustrates the non-ownership of rights to a world of life and intersubjective sharing in public sphere spaces. Finally, based on a survey into the files of the Federal Senate, which narrate the episode of the enactment of the Law on “schools of first letters”, I discuss the androcentric ideas in force in parliamentary debates on mathematics curricula for boys and girls, and I also shed light into the ethics employed in the discourses that, while subjugating women, determined and delimited the learning and teaching of mathematics in the 19th century.
Neste texto apresento a Ética Discursiva de Jürgen Habermas com potencial diagnóstico de discursos políticos que expressam relações e questões de gênero. Para tanto, em termos estruturais, após uma breve introdução que justifica a adequação de Habermas ao debate feminista, segue uma explicitação do seu projeto filosófico, e uma seção que versa sobre uma condição histórica das mulheres no Brasil que, evidenciando exclusão da comunidade linguística, ilustra a não titularidade de direitos a um mundo da vida e compartilhamentos intersubjetivos em espaços de esfera pública. E, finalmente, a partir de levantamento em arquivos do Senado Federal, que narram o episódio de promulgação da Lei das escolas de primeiras letras, discuto o ideário androcêntrico vigente nos debates do parlamento sobre currículos de matemática para meninos e meninas, bem como lanço visibilidade sobre a ética empregada nos discursos que, subjugando mulheres, determinava e delimitava o aprender e ensinar matemática no século XIX.

Descrição

Palavras-chave

Mathematics teaching, Curriculum, Gender and sexuality, Androcentrism, Theory of communicative action, Women’s rights, Ensino de matemática, Currículo, Gênero e sexualidade, Androcentrismo, Teoria da ação comunicativa, Direito das mulheres

Como citar

Ciência & Educação (Bauru). Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru., v. 28, p. -, 2022.

Coleções