Morfologia e histoquímica do tubo digestivo de Mapará Hypophthalmus marginatus

Imagem de Miniatura

Data

2015-02-20

Autores

Pozzer, Roger Franzoni [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

This study describes the morphology and histochemistry of the digestive tract of mapará, Hypophthalmus marginatus, a migratory and planktophagic catfish inhabiting Neotropical rivers and lakes. This fish is one of the main fishery stocks in the Amazon region and has desirable characteristics for aquaculture. However, there are few studies on its biology and rearing. In order to promote the development of aquaculture through information for a better understanding of the physiology of digestion, feeding habits, health and environmental quality, analyzes of gross anatomy, light microscopy and histochemistry of mucosubstances of the digestive tract were performed in adult H. marginatus collected from the wild. The digestive tract of this fish had the following morphological and functional characteristics: oropharyngeal cavity with numerous, long and slender gill rakers; short and muscular esophagus; U-shaped siphonal stomach, divided into cardic, fundic and pyloric regions, the latter well-developed; a coiled intestine, divided into anterior, middle, posterior and rectum, with the anterior and middle regions being the main nutrient absorption sites, while the posterior and rectum regions are responsible for the formation and elimination of feces. The histochemistry analysis revealed the presence of neutral and acidic mucosubstances, related to lubrication and epithelial protection, digestion, food transit and feces formation. The neutral mucosubstances were present in the esophagus, stomach and intestine, while acidic mucosubstances were identified only in the esophagus and intestine. The characteristics presented by H. marginatus elucidate its digestive tract adaptation for planktophagic feeding habit
Este trabalho descreve a morfologia e histoquímica do tubo digestivo do mapará, Hypophthalmus marginatus, um bagre migrador e planctófago que habita rios e lagos Neotropicais. Este peixe é um dos principais recursos pesqueiros da região Amazônica e apresenta características desejáveis para aquicultura. Entretanto, existem poucos estudos sobre sua biologia e cultivo. A fim de auxiliar no desenvolvimento da aquicultura através de informações que permitam uma melhor compreensão da fisiologia da digestão, hábito alimentar, saúde e qualidade do ambiente, foram realizadas análises de anatomia macroscópica, microscopia óptica e histoquímica de mucossubstâncias do tubo digestivo de exemplares adultos de H. marginatus coletados em ambiente natural. O tubo digestivo deste peixe apresentou as seguintes características morfofuncionais: cavidade bucofaríngea, com rastros branquiais numerosos, longos e finos; esôfago curto e muscular; estômago sifonal em forma de U, dividido em regiões cárdica, fúndica e pilórica, esta última bastante desenvolvida; intestino enovelado, dividido nas regiões anterior, média, posterior e reto, sendo as regiões anterior e média os principais sítios de absorção de nutrientes e as regiões posterior e reto responsáveis pela formação e eliminação do bolo fecal. A análise histoquímica revelou presença de mucossubstâncias neutras e ácidas, relacionadas à lubrificação e proteção epitelial, digestão, trânsito do alimento e formação das fezes. As mucossubstâncias neutras estiveram presentes no esôfago, estômago e intestino, enquanto que as ácidas foram identificadas apenas no esôfago e intestino. As características apresentadas pelo H. marginatus elucidam a adaptação do tubo digestivo para o hábito alimentar planctófago

Descrição

Palavras-chave

Peixe, Aparelho digestivo, Bagre (Peixe), Morfologia (Animais), Histoquimica, Digestive organs

Como citar

POZZER, Roger Franzoni. Morfologia e histoquímica do tubo digestivo de Mapará Hypophthalmus marginatus. 2015. iii, 51 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Centro de Aquicultura de Jaboticabal, 2015.