Diagnóstico do aneurisma tipo Blister: diferença da angiotomografia e angioressonância

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2022-11-18

Autores

Tavares, Bruna Marques

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Um aneurisma é entendido como uma dilatação anormal de um vaso sanguíneo causada pelo enfraquecimento da parede arterial. Um aneurisma raro é do tipo blister, onde as paredes dos vasos sanguíneos são tão frágeis que se rompem facilmente, tornando-se um quadro clínico grave. Esses aneurismas são pequenas lesões que às vezes aparecem apenas como protuberâncias na parede do vaso e estão frequentemente associadas à hemorragia subaracnóidea. Embora os aneurismas saculares geralmente mostrem alguns sinais de alerta, os pacientes com esse aneurisma raro não relatam sintomas até que ele se rompa, o que torna o diagnóstico difícil porque essas lesões além de pequenas estão localizadas em locais incomuns. O objetivo desse estudo foi relatar as diferenças entre a angiotomografia e a angioressonância no diagnóstico do aneurisma blister. Para tanto foi realizado uma revisão de literatura com base em pesquisa bibliográfica, utilizando-se algumas bases de dados como Google Acadêmico, Scielo e PubMed. A angiotomografia tem como grande desvantagem o uso de radiação ionizante e contraste iodado e, embora seja altamente eficiente na detecção de aneurismas em geral, apresenta limitações no diagnóstico de aneurismas pequenos e de localidade cavernosa. A angiorressonância sem radiação ionizante e contraste iodado apresenta imagens multiplanares e correlacionadas, melhorando a eficiência diagnóstica.

Descrição

Palavras-chave

Blister, Angiotomografia, Angioressonância, Aneurisma

Como citar