Por que funcionam limitadamente campanhas e programas de conservação de água? Uma análise comportamental

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2012

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Tipo

Artigo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Resumo (inglês)

The issue of water scarcity, besides being a relevant and contemporary environmental problem, can be characterized as a social phenomenon, the result of inadequate cultural practices. As such it can be studied by Behavior Analysis, more specifically, from the point of view of selection by consequences. In this context, our objective was to identify if campaigns and programs of water conservation are consonant with Behavior Analysis’ principles on how to change and control individual behavior in the cultural dimension. Overall, data indicate the absence of contingent reinforcement on behavior of water waste and conservation and the presence of mentalistic practices, in contrast with the foundations of Behavior Analysis, especially with regard to the logic of selection by consequences.

Resumo (português)

A questão da escassez da água, além de relevante e contemporâneo problema ambiental, pode ser caracterizada como fenômeno social, resultado de práticas culturais inadequadas. Como tal, pode ser estudada pela Análise do Comportamento, mais especificamente, do ponto de vista da seleção pelas consequências. Nesse contexto, objetivou-se identificar se campanhas e programas de conservação de água estão em consonância com os princípios da Análise do Comportamento para alteração e controle dos comportamentos dos indivíduos na dimensão cultural. De modo geral, os dados indicam a ausência de reforços contingentes aos comportamentos de desperdiçar e economizar água e a presença de práticas mentalistas, evidenciando uma contraposição aos fundamentos da Análise do Comportamento, especialmente no que diz respeito à lógica da seleção pelas consequências.

Descrição

Idioma

Português

Como citar

Interação em Psicologia, v. 16, n. 2, p. 199-210, 2012.

Itens relacionados

Financiadores