Os sentidos do não aprender na perspectiva de alunos do ensino fundamental I, professores e familiares

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2018-02-27

Autores

Marques, Jaqueline Belga [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A heterogeneidade humana tem sido corrompida por um amplo processo de ajustamento e padronização que, no campo da educação, dá visibilidade a uma rede de explicações medicalizadoras que buscam justificar o não aprender. Em alunos na fase inicial do processo de apropriação da linguagem escrita, o não aprender apresenta-se, cada vez mais, associado a diagnósticos de doenças e, como consequência, o processo de medicalização aumenta demasiadamente na escola. Com base em tais ideias, o presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de compreender os sentidos atribuídos ao não aprender por alunos dos anos iniciais do ensino fundamental I, identificados por seus professores como aqueles que apresentam doenças do não aprender, seus familiares e professores. De natureza descritivo-interpretativa, a presente pesquisa, subsidiada pela abordagem qualitativa, foi realizada com nove protagonistas (três alunos, três familiares e três professores). A pesquisa foi realizada com uma aluna do 1º ano, com idade de 6 anos; uma aluna de 2° ano, com 8 anos de idade e um aluno do 3º ano, com 9 anos. Para a geração de dados foi utilizado o discurso livre produzido pelos protagonistas, bem como os prontuários dos alunos. A análise empreendida se deu a partir de duas dimensões: os discursos orais e os discursos escritos, dos quais se depreenderam os seguintes eixos de análise: “Os sentidos do não aprender: implicações na constituição do aluno”; “Rótulos e classificações: implicações nos discursos estigmatizantes”; “A consequência do fracasso escolar - a doença, o medicamento e os encaminhamentos”. Os dados obtidos possibilitaram a discussão acerca das implicações do processo de medicalização na educação. Os resultados indicaram que o aluno vai se constituindo discursivamente, assimilando as vozes sociais. Tanto os discursos orais dos protagonistas, quanto os discursos escritos produzidos nos prontuários acerca dos alunos apontados por seus professores como aqueles com doenças do não aprender, revelaram que o processo de medicalização se torna cada vez mais abrangente na escola, pois como o sujeito se refrata através do discurso do outro, todos são envolvidos, a família e a escola e, consequentemente, o aluno toma para si o rótulo do não aprender, dando continuidade ao movimento de medicalização. Portanto, com esse trabalho espera-se contribuir para a ampliação da discussão acerca dos sentidos do não aprender, com vistas a uma maior conscientização, por parte de profissionais da área da educação e saúde, sobre os malefícios da medicalização de causas sociais e educacionais no contexto escolar.
A broad process of adjustment and standardization that, in the field of education, gives visibility to a network of medicalizing explanations that seek to justify not learning has corrupted human heterogeneity. In students in the initial phase of the process of appropriation of written language, non-learning is increasingly associated with diagnoses of diseases and, as a consequence, the medicalization process increases too much in school. Based on these ideas, the present study was developed with the purpose of understanding the meanings attributed to not learning by students from the initial years of elementary school I, identified by their teachers as those who have not learned diseases, their families and teachers. From a descriptive-interpretative nature, the present research, subsidized by the qualitative approach, was carried out with nine protagonists (three students, three family members and three teachers). The research was carried out with a student of the first year, aged 6 years; a 2 nd year old student with 8 years of age and a 3 year old student with 9 years old. For the generation of data was used the free speech produced by the protagonists, as well as the student records. The analysis was carried out in two dimensions: oral discourses and written discourses, from which the following axes of analysis emerged: "The senses of not learning: implications in the constitution of the student"; "Labels and classifications: implications in stigmatizing discourses"; "The consequence of school failure - the disease, the medicine and referrals." The data obtained allowed the discussion about the implications of the medicalization process in education. The results indicated that the student is developing discursively, assimilating the social voices. Both the oral discourses of the protagonists and the written discourses produced in the medical records about the students pointed out by their teachers as those with diseases of not learning, revealed that the medicalization process becomes more and more comprehensive in the school, because as the subject refracts through the discourse of the other, everyone is involved, the family and the school and, consequently, the student takes to himself the label of not learning, giving continuity to the medicalization movement. Therefore, this work hopes to contribute to the broadening of the discussion about the senses of non-learning, with a view to raising awareness among professionals in the area of education and health about the harmful effects of the medicalization of social and educational causes in the school context.

Descrição

Palavras-chave

Doenças do não aprender, Diseases of not learning, Written language, Elementary School, Medicalização da educação, Linguagem escrita, Ensino fundamental, Medicalization of education

Como citar