Desenvolvimento sustentável: decifra-me ou te devoro. Análise sobre o desenvolvimento sustentável no modo de produção capitalista

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2017-02-03

Autores

Whitacker, Guilherme Magon [UNESP]

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Esta pesquisa teve por escopo verificar a hipótese de que o desenvolvimento sustentável está sendo utilizado como estratégia para a reprodução do modo de produção capitalista. Para esta verificação elencamos como objeto de estudo uma política pública implementada no estado de São Paulo com o objetivo de realizar ações de promoção do desenvolvimento territorial rural sustentável - o Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas (PEMH). Esta política pública foi financiada pelo Grupo Banco Mundial, um dos articuladores do processo de reprodução do modo de produção capitalista em escala global. Para averiguarmos a hipótese, contrapomos a concomitância entre o desenvolvimento do PEMH ao intenso processo de expansão do setor sucroenergético no estado de São Paulo, significando profunda contradição. Utilizamos procedimentos metodológicos que permitiram averiguar a materialidade do desenvolvimento sustentável e também aspectos imateriais, especialmente a prática discursiva e ideológica que permitiu que o desenvolvimento sustentável fosse amplamente aceito sem maiores questionamentos. Implementar ações que utilizam a ideia de desenvolvimento sustentável se tornou uma prática comum articulada à normatização, monopolização do território e territorialização das relações sociais de produção capitalista. Assim, o território se apresenta como lócus dos conflitos em torno da posse, do uso e do controle de recursos naturais enquanto mercadoria essencial para a reprodução do modo de produção capitalista. No caso estudado nesta tese, apesar de o PEMH trazer resultados pontuais positivos em relação à proteção de mananciais, por exemplo, se analisada a questão em uma perspectiva escalar e estrutural que considere o agronegócio sucroenergético como uma das formas mais expressivas do capital no campo e o Grupo Banco Mundial como agente articulador da reprodução capitalista em escala global e que propõe políticas públicas baseadas um modelo de desenvolvimento sustentável local, o desenvolvimento sustentável em nada altera a lógica predatória e insustentável do modo de produção capitalista.
Esta investigación se propuso de verificar la hipótesis de que el desarrollo sostenible está siendo utilizado como una estrategia para la reproducción del modo de producción capitalista. Para verificar la hipótesis hemos seleccionado como objeto de estudio una política pública implementada en el estado de São Paulo con el fin de llevar a cabo acciones para promover el desarrollo territorial rural sostenible – el Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas (PEMH). Esta política pública fue financiada por el Grupo Banco Mundial, uno de los articuladores del proceso de reproducción del modo de producción capitalista a escala global. Para averiguarmos la hipótesis frente a la simultaneidad del desarrollo de PEMH el intenso proceso de expansión de la industria de la caña de azúcar en el estado de São Paulo, lo que significa profunda contradicción. Utilizamos procedimientos metodológicos que permitieron examinar la materialidad del desarrollo sostenible y también aspectos inmateriales, en especial la práctica discursiva e ideológica, lo que permitió que el desarrollo sostenible en general fuese aceptado sin más cuestiones. Implementar acciones que utilizan la idea de desarrollo sostenible se ha convertido en una práctica común articulada a la uniformidad del territorio y de los procesos territoriales y la monopolización del território. Por lo tanto, el territorio se presenta como lócus de conflicto por la propiedad, uso y control de los recursos naturales como mercancia esencial para la reproducción del modo de producción capitalista. En el caso estudiado en esta tesis, aunque lo PEMH traer resultados puntuales positivos en relación a la protección de las fuentes de agua, por ejemplo, si analizamos la cuestión en una escala y estructura desde la perspectiva de considerar la agroindustria de caña de azúcar como una de las formas más expresivas de capital en el país y el Grupo Banco Mundial como agente coordinador de la reproducción capitalista a escala global y proponer políticas públicas basado en un modelo de desarrollo sostenible, el desarrollo sostenible local no altera la lógica depredadora e insostenible del modo de producción capitalista.
The research had the scope to verify the hypothesis that sustainable development is being used as analternative for the reproduction of the capitalist means of production. To check this we have listed as an object of study an implemented public policy in the State of São Paulo in order to carry out actions that provide sustainable rural territorial development, the “Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas” (State Program of Watersheds). A public policy funded by the“Grupo Banco Mundial” (World Bank Group), articulator of the reproduction of the capitalist mode of production process.To find this hypothesis out, we remitted to methodological procedures that allowed us to determine the materiality of sustainable development also seeking to understand immaterial aspects, the ideological discursive practice that allowed sustainable development was widely accepted without further questioning, that is, we left the appearance and sought the essence of the same. Implementing actions that make use of sustainable development Idea hás become a common practice articulated to the standardization of the territory and the territorial processes and monopolization of the territory. Thus, the territory is presented as the lócus of conflict over the ownership, use and control of natural resources as na essential commodity for the reproduction of the capitalist means of production. Although the program has brought positive punctual results in relation to the protection of water sources, for example, on a scale perspective that considers the “Grupo Banco Mundial” as a coordinating agent of capitalist reproduction on a global scale, public policies, proposing a local model of sustainable development,in no way alters the predatory and unsustainable logic of the capitalist mode of production.

Descrição

Palavras-chave

Desenvolvimento sustentável, Grupo Banco Mundial, Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas, Setor Sucroenergético, Território

Como citar