Rabies laboratory diagnosis: peculiar features of samples from equine origin

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2000-03-01

Autores

Peixoto, Zélia M.P.
Cunha, Elenice M. Sequetin
Sacramento, Débora R.V.
Souza, M. Conceição A.M.
Silva, Luzia H. Queiroz da [UNESP]
Germano, Pedro Leal
Kroeff, Suzana S.
Kotait, Ivanete

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Sociedade Brasileira de Microbiologia

Resumo

O diagnóstico laboratorial da raiva é realizado através de métodos de pesquisa do corpúsculo de Negri, imunofluorescência direta e inoculação em camundongos. Na maioria dos casos, quando a amostra é bem coletada, bem conservada e o profissional responsável possui experiência, verifica-se concordância entre as técnicas utilizadas. A Seção de Raiva e Encefalomielite do Instituto Biológico ao comparar a sensibilidade das três técnicas diagnósticas, em 3713 amostras (córtex cerebral, cerebelo e hipocampo) recebidas no período de 1980-1994, sendo 3010 da espécie bovina (983 positivas) e 703 da espécie eqüina (111 positivas), observou que, no caso da raiva eqüina, esta concordância não é mantida. Verificou-se, nesta espécie, que somente em algumas oportunidades foi possível identificar, pelo método histopatológico, o corpúsculo de Negri. em relação à prova de imunofluorescência pode-se afirmar que a mesma detectou uma porcentagem menor de amostras positivas, provenientes da espécie equina, em compração com as da espécie bovina, sendo esta diferença estatisticamente significativa. A prova biológica foi a mais sensível, porém houve uma diferença, também significativa, entre o período de incubação em camundongos das amostras de origem bovina e das de origem eqüina. A presença pouco frequente de corpúsculos de Negri e o período de incubação em camundongos mais prolongado, das amostras de origem eqüina, sugerem que devem ser intensificados os estudos da patogenia da raiva nesta espécie.
Rabies laboratory diagnosis is performed by using microscopic examination for Negri bodies (MEN), fluorescent-antibody test (FAT) and mouse inoculation test (MIT). In the majority of cases, when specimens are properly collected and conserved and the laboratory worker has good experience, agreement among employed techniques is verified. Comparing the sensitivity of these three diagnosis techniques in 3,713 samples (hippocampus and brain stem) received during 1981-1994 period, being 3,010 from bovine (983 positives) and 703 from equine (111 positives) species, it was observed that in equine rabid samples, this agreement was not maintained. For the latter specie, only in few opportunities the Negri bodies could be observed. With respect to FAT, the test detected a lower porcentage of positive equine samples compared to bovine species. Statistical analysis demonstrated that the difference was significative. Mouse inoculation test proved to be more sensitive. However, a significant difference in mice incubation period was observed for samples from both species. The absence of inclusion bodies and the longer incubation period for equine samples suggest that rabies pathogenesis studies for equine species have to be intensified.

Descrição

Palavras-chave

raiva eqüina, diagnóstico laboratorial, equine rabies, laboratory diagnosis

Como citar

Brazilian Journal of Microbiology. Sociedade Brasileira de Microbiologia, v. 31, n. 1, p. 72-75, 2000.

Coleções