Análise sociolinguística da coleção Tecendo Linguagens (2018)

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2023-05-25

Autores

Martins, Ana Paula

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

Neste trabalho, apresentam-se os resultados de uma análise sociolinguística da coleção Tecendo Linguagens (2018), com o objetivo principal de que este estudo contribua para um quadro de pesquisas relacionadas à análise de materiais didáticos na perspectiva da sociolinguística. O material que compõe o corpus de análise desta pesquisa foi escolhido com base nos critérios de aprovação no PNLD 2020 e na alta adesão por parte das escolas. Para a investigação proposta, baseamo-nos em seis perguntas norteadoras, criadas para este estudo: (i) quais são os gêneros textuais, domínios discursivos e campos de atuação utilizados no trabalho com a variação?; (ii) norma-padrão é confundida com norma culta?; (iii) as variedades prestigiadas são apontadas como espaço de variação linguística?; (iv) a variação linguística é levada em conta durante as discussões dos tópicos gramaticais?; (v) as situações comunicativas são associadas a usos formais/informais, de maneira dicotômica, ou são vistas como espaços de multiplicidade estilística?; (vi) ao tratar sobre preconceito linguístico, busca-se discutir sua relação com o preconceito social? A ideia de respeito linguístico é evidenciada nesse contexto? Nossas reflexões estão ancoradas, principalmente, nas discussões acerca da Sociolinguística Educacional, com Bortoni-Ricardo (2004, 2005) e Vieira (2018, 2020); nos conceitos de normas linguísticas, a partir de Bagno (2007, 2017, 2019), Faraco (2008), Lucchesi (2012) e Pagotto (1998); na teoria da variação e da mudança linguística, seguindo as discussões de Weinreich, Labov e Herzog (2006 [1968]), Labov (2008 [1972]) e Camacho (2013); na pedagogia da variação linguística, discutida, sobretudo, por Faraco (2008, 2011b), Bagno (2007), Faraco e Zilles (2015) e Vieira (2018, 2020); e nas reflexões sobre preconceito e respeito linguísticos, trazidas por Bagno (1999, 2014), Scherre (2020, 2021) e Vieira (2020). Nossas análises consideraram também as normativas da BNCC acerca dos estudos (socio)linguísticos, tendo em vista a influência que exercem sobre os materiais didáticos aprovados no PNLD. Identificamos que, de fato, há avanços observados em relação ao tratamento da variação nos materiais, como a progressiva presença de reflexões sobre variação linguística ao longo dos volumes, além de discursos que reconhecem e valorizam a heterogeneidade do português; apesar disso, as abordagens mostram-se ainda superficiais, até com problemas conceituais em certos momentos, prejudicando o tratamento assertivo dos fenômenos variáveis e levando a inconsistências em relação ao estudo da variação nos volumes da coleção, algo também observado na BNCC. Por essas razões, entendemos que estamos apenas no início de um caminho que pode nos levar a um ensino de português com base na pedagogia da variação linguística, havendo muito trabalho a ser feito para que avancemos, sobretudo no que se refere à superação de um ideal de língua que ainda se observa no ensino.
This research presents the results related to an analysis of the Brazilian textbook’s collection Tecendo Linguagens (2018), in a sociolinguistic approach. Our main goal is to contribute to a framework of research related to the analysis of textbooks on the perspective of sociolinguistics. The selection of this material as the corpus of the present investigation was based on its approval in PNLD and on its high adherence by schools. For the proposed investigation, we are based on six guiding questions, created for this research: (i) what are the textual genres, discursive domains and ‘fields of action’ used in working with linguistic variation?; (ii) are the concepts of standard norm and cultured norm taken as if they were the same?; (iii) are prestigious varieties identified as a space of linguistic variation?; (iv) is linguistic variation taken into account during discussions of grammatical topics?; (v) are communicative situations associated with formal/informal uses, in a dichotomous way, or are they seen as spaces of stylistic multiplicity?; (vi) when dealing with linguistic prejudice, do the textbooks seek to discuss its relation with social prejudice? Is the idea of linguistic respect highlighted in this context? Our reflections are mainly based on discussions about Educational Sociolinguistics, with Bortoni-Ricardo (2004, 2005) and Vieira (2018, 2020); on the concepts of linguistic norms, from Bagno (2007, 2017, 2019), Faraco (2008), Lucchesi (2012) and Pagotto (1998); on the theory of linguistic variation and change, following the discussions of Weinreich, Labov and Herzog (2006 [1968]), Labov (2008 [1972]) and Camacho (2013); on the pedagogy of linguistic variation, discussed mainly by Faraco (2008, 2011b), Bagno (2007), Faraco and Zilles (2015) and Vieira (2018, 2020); and on reflections on linguistic prejudice and respect, brought by Bagno (1999, 2014), Scherre (2020, 2021) and Vieira (2020). Our analyzes also considered the BNCC’s regulations regarding (socio)linguistic studies, due to the influence they exert on the textbooks approved by PNLD. We identified that, in fact, there are advances observed in relation to the treatment of variation in the materials, such as the progressive presence of reflections on linguistic variation throughout the volumes, in addition to discourses that recognize and value the heterogeneity of Portuguese; despite this, the approaches are still superficial, even with conceptual problems sometimes, spoiling the assertive treatment of variable phenomena and even leading to inconsistencies in relation to the study of variation in the volumes of the collection, just as we also observed on BNCC. For these reasons, we understand that we are just at the beginning of a path that can lead us towards a pedagogy of linguistic variation, with much work to be done in order to move forward, especially with regarding to overcome an ideal of language that is still observed in contexts of Portuguese teaching.

Descrição

Palavras-chave

Livros didáticos, Sociolinguística educacional, Pedagogia da variação linguística, Textbooks, Educational sociolinguistics, Pedagogy of linguistic variation

Como citar