Farinha de vísceras hidrolisada em dietas extrusadas para gatos

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2021-09-29

Autores

Scarpim, Lucas Bassi

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Resumo

A demanda por nutrição de alta qualidade para cães e gatos faz com que a indústria pet food busque por novos ingredientes para atender a esse mercado cada vez mais exigente. Os gatos, por serem considerados carnívoros restritos, possuem maior exigência proteica em relação aos demais mamíferos onívoros. Com isso, as fontes proteicas de origem animal são as mais utilizadas em formulações pet, por apresentarem boa digestibilidade, palatabilidade e disponibilidade comercial. Dentre as matérias primas de origem animal, a farinha de vísceras de frango é a mais utilizada em dietas para cães e gatos. Os hidrolisados proteicos vêm ganhando espaço em formulações pet devido a seu alto teor proteico, alta digestibilidade e presença de peptídeos bioativos. O objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos da substituição da farinha de vísceras de frango convencional por farinhas de vísceras de frango hidrolisada como fonte proteica em dietas para gatos, avaliando seus efeitos sobre a digestibilidade aparente de nutrientes e da energia, características das fezes e produtos de fermentação microbiana, balanço de nitrogênio e metabolismo de uréia de gatos. Foram utilizados 30 gatos com 4,18 ± 0,86 kg e 4,17 ± 1,38 anos, distribuídos em cinco tratamentos experimentais: Controle (CO, a base de farinha de vísceras de frango convencional) e quatro níveis de inclusão de farinha de vísceras de frango hidrolisada (FVH): 5%, 10%, 20% e 30%. Os dados foram submetidos à análise de variância e, quando detectadas diferenças no teste F, os efeitos foram comparados por contrastes polinomiais (P <0,05) de acordo com a inclusão de FVH. Durante o estudo, não houve episódios de recusa, vômito ou diarreia. A ingestão, digestibilidade aparente dos nutrientes, balanço de nitrogênio e energia metabolizável foi semelhante entre os tratamentos (P>0,05). A inclusão de 30% de farinha de vísceras hidrolisada resultou em menor gelatinização do amido, aproximadamente 21% menor em comparação a dieta CO, mas não afetou a digestibilidade dos nutrientes do alimento. As fezes produzidas pelos gatos apresentaram escore 3,9 ± 0,02 não diferindo entre os tratamentos. A concentração de amônia fecal foi semelhante entre os tratamentos (P>0,05). A inclusão de FVH aumentou de modo quadrático as concentrações de ácido graxo isobutírico, isovalérico, valérico e do total de ácidos graxos de cadeia ramificada, com aumento linear da concentração de lactato (P<0,05). Os dados de volume, pH e densidade urinários, bem como a excreção renal de uréia foram similares entre os tratamentos (P>0,05). A inclusão de até 30% de FVH é segura quanto aos parâmetros avaliados e pode ser considerada em formulações pet food sem afetar a digestibilidade dos nutrientes e características das fezes e urina dos gatos.
The demand for high quality pet food has driven the industry to search for new ingredients, with superior quality. Cats, as strict carnivores, have high protein requirements in comparison to omnivorous mammals. Due to this, animal protein sources are the most used in pet food formulations because of their high digestibility, palatability and commercial availability. Among these ingredients, poultry by-product meal is the most used protein source for cats and dog foods. In the recent years the interest on hydrolyzed proteins have been risen, due to their high protein content, elevated digestibility and presence of bioactive peptides. The aim of the present study was to evaluate the effects of the substitution of conventional poultry by-product meal by hydrolyzed poultry by-product meal as a protein source for cat diets, studying its effects on the total tract apparent digestibility of nutrients and energy, fecal characteristics and microbial fermentation products, nitrogen balance and urea metabolism of cats. Thirty cats with 4.18±0.86 kg and 4.17±1.38 years old were distributed in five experimental treatments: Control (CO, based on conventional poultry by-product meal) and four inclusion levels of hydrolyzed poultry by-product meal (HPBM) 5%, 10%, 20% and 30%. Data were submitted to analysis of variance, and when differences were detected by the F test, the effects were compared using polynomial contrasts according to HPBM inclusion level (P<0.05). During the study no episodes of food refusal, vomiting or diarrhea were observed. Nutrient intake, apparent digestibility of nutrients, nitrogen balance and the metabolizable energy did not differ among treatments (P>0.05). The inclusion of 30% HPBM reduced starch gelatinization approximately 21% in relation to CO diet, but it did not affect nutrient digestibility. The feces produced by the cats presented score 3,9 ± 0,02 did not differing among treatments. The ammonia concentration was similar on cat feces for all treatments(P>0.05). The HPBM inclusion resulted in a quadratic increase on isobutyric, isovaleric, valeric, and total branched-chain fatty acids, and a linear increase in lactate fecal concentrations (P<0.05). Urine volume, pH, density and urea renal excretion were similar among treatments (P>0.05). Considering the evaluated parameters, the inclusion up to 30% of hydrolyzed poultry by-product meal is safe and could be considered in pet food formulations without interfering on nutrient digestibility and feces and urine characteristics of cats.

Descrição

Palavras-chave

Hidrolisados de proteína, Processo de extrusão, Ácidos graxos

Como citar