Conscientização e transformação no processo grupal

Nenhuma Miniatura disponível

Data

2001

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Resumo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

A realização deste projeto ocorre a partir da necessidade de possibilitar e promover um avanço qualitativo no grupo de hipertensos, no que diz respeito ao alcance da autonomia grupal. No processo de desenvolvimento da autonomia em uma abordagem sócio-histórica, são necessárias experiências estimuladoras no grupo, que exijam responsabilidade e decisão dos seus membros. Na construção da independência faz-se importante ressaltar a contribuição de cada indivíduo com relação ao grupo, ao estabelecimento e cumprimento de metas e instigar tarefas que favoreçam a participação de todos. À medida que seja tomado o contato com a prática e sejam assumidas responsabilidades, "a independência vai preenchendo 'o espaço' antes 'habitado' pela dependência" . Proporcionando a reflexão das ações do grupo, favorecendo o desenvolvimento da consciência crítica dos participantes, torna-se possível a realização de ações transformadoras voltadas para o contexto sociocultural do grupo e de seus membros, principalmente o que se refere aos grupos que fazem parte do seu cotidiano. Assim, podem garantir a continuidade do grupo de hipertensos, com indivíduos autônomos, cidadãos conscientes e participativos no seu contexto sócio-histórico. O grupo, na medida que os membros se identifiquem entre si e constatem as suas semelhanças e suas diferenças, contribui significativamente para o desenvolvimento da consciência individual e também social. São três os parâmetros para a análise do processo grupal utilizados nesse trabalho: 1) identidade grupal; 2) poder grupal e, 3) atividade grupal. Objetivos: a) criar condições para que o grupo resgate a sua história e o seu desenvolvimento e desta forma, reflita sobre a sua identidade grupal; b) buscar reflexões frente ao processo de trabalho e confrontar as representações idealizadas com as reais, visando a mudança dessas representações e consequentemente possibilitar um processo de conscientização das ações frente ao seu contexto sócio-econômico-cultural; c) proporcionar experiências através de um processo psico-educativo, onde o grupo e seus indivíduos possam assumir responsabilidades e decisões, desenvolvendo a autonomia grupal e de seus membros; d) instrumentalizar os participantes, a partir de experiências e vivências, a fortalecerem suas relações no grupo e contribuir para que desenvolvam ações coletivas, relacionadas com o seu contexto sócio-histórico, visando maior responsabilidade e compromisso com o grupo. Participaram do grupo 13 mulheres com hipertensão arterial, com idade entre 55 e 70 anos, residentes em Núcleo Habitacional da COHAB, participantes do Programa de Controle da Hipertensão Arterial da unidade básica de saúde do bairro onde moram e seus familiares. Foram realizados 14 encontros e neles trabalhados os artigos para a construção do segundo número do jornal. As temáticas discutidas foram: história do grupo, conhecimentos acumulados pelo grupo sobre saúde e hipertensão, centro comunitário, problemas do bairro e valores humanos envolvidos nas relações interpessoais. Resultados: as atividades de construção dos textos do jornal possibilitaram, além do exercício de confecção dos artigos, reflexões sobre as formas de participação para a melhoria do bairro, compreendendo o jornal como uma ação social. Diante destas atividades e das discussões que surgiram sobre o Centro Comunitário, posto de saúde e os problemas do bairro, o processo de transformação da identidade do grupo foi favorecido. Os participantes passaram a discutir saúde e cidadania. A elaboração do jornal resgatou atitudes que exigiram responsabilidade, decisões e autonomia dos membros do grupo na administração de tarefas, prazer em realizar uma atividade e descoberta de potencialidades individuais e coletivas (por ex. organização de rifa, confecção de cesta com objetos feitos pelas participantes como prêmio, xerox, notícias para o jornal, distribuição). As atividades de leitura e reflexão sobre artigos de jornal da cidade, possibilitaram que as integrantes do grupo tivessem o contato com notícias de jornal, levando a um confronto com a realidade, identificando elementos de contradição, principalmente quando as notícias tratavam do bairro onde moram (artigos sobre o Centro Comunitário, o Núcleo de Saúde, Conselho Gestor de Saúde, história do bairro). As atividades desenvolvidas durante o ano possibilitaram um maior desenvolvimento da consciência individual e social, favorecendo uma ampliação da autonomia das participantes, atingindo portanto, os objetivos previstos. Diante do trabalho desenvolvido, conclui-se que as participantes do grupo apresentaram mudanças em sua fala e ação, interessando-se em discutir seu contexto social, demonstrando uma abertura para questões comunitárias, anteriormente inexistentes. No decorrer do ano, iniciaram algumas ações junto ao bairro onde moram, indicando possibilidade de uma intervenção mais coletiva do grupo para o próximo ano. O presente projeto integrou as atividades práticas de um curso de formação de psicólogos, como parte do estágio da área de Psicologia Social e Comunitária da Faculdade de Ciências, da UNESP, Campus de Bauru. Tal projeto abrange o Departamento de Psicologia e o Centro de Psicologia Aplicada (CPA). Os encontros foram realizados quinzenalmente, com a duração de duas horas, pelos estagiários do respectivo curso. O tema "conscientização e transformação no processo grupal" foi discutido através de experiências e vivências estimuladoras de compromisso e responsabilidade dos membros do grupo pela busca da autonomia grupal e atividades de interesse do grupo. O trabalho proporcionou um espaço de reflexão sobre inúmeros temas, favorecendo o processo de desenvolvimento da consciência crítica e estimulando ações transformadoras, de algum modo, relacionadas com o contexto do grupo. O grupo proporcionou troca de experiências, fortalecimento da união dos membros e estimulou as ações coletivas. Para os estagiários, o desenvolvimento do trabalho significou, além da relação ensino/aprendizagem, maior clareza sobre a abordagem teórica adotada, assim como aumento da compreensão das potencialidades humanas e do sentimento de competência para mudar ou transformar a realidade. Os estagiários receberam supervisão semanal no Centro de Psicologia Aplicada, sob orientação da coordenadora do projeto. Este projeto articulou atividades de ensino e pesquisa com demandas sociais, possibilitando experiências de atendimentos grupais e acompanhamento de atividades externas a alunos quintanistas do Curso de Formação de Psicólogos e também oferecer o serviço de atenção psico-educativa a pessoas com problemas de saúde, especificamente a hipertensão arterial, e seus familiares atendidos em Unidade Básica de Saúde no município de Bauru. Os estagiários realizaram encontros grupais quinzenais com os hipertensos durante o ano e acompanharam as atividades externas programadas. A abordagem utilizada é a sócio-histórica em Psicologia Social. Além da intervenção, encontra-se em fase final projeto de pesquisa sobre o tema trabalhado. Atende-se também à demanda da unidade básica de saúde do bairro. Uma das principais dificuldades encontradas no desenvolvimento do projeto foi a garantia do espaço físico para a realização das atividades grupais. Desde 1987 os grupos ligados à saúde e à comunidade em geral funcionam no Centro Comunitário. Neste ano tivemos que enfrentar vários imprevistos (falta de chaves para abrir o Centro; outras atividades sendo realizadas no mesmo horário). No entanto, mesmo essas situações foram geradoras de reflexão e ação do grupo, já que ressaltou a importância da garantia do espaço para a atividade grupal. Deste modo, necessitou a ação coletiva junto à direção do Centro Comunitário para que este organizasse melhor a disponibilidade horária do local, garantindo a realização de todas as atividades de interesse para a população do bairro. No ano de 1999 pretende-se dar continuidade ao projeto, com a inserção de uma estagiária de Educação Física, buscando ampliar a capacidade da autonomia das participantes do grupo no seu cotidiano e nas relações com a comunidade.

Descrição

Palavras-chave

Idioma

Português

Como citar

Itens relacionados