A interferência da jornada de trabalho na qualidade do serviço: contribuição à gestão de pessoas

dc.contributor.authorSilva, Luis Carlos de Paula e
dc.contributor.authorJuliani, Carmen Maria Casquel Monti [UNESP]
dc.contributor.institutionFaculdade de Medicina de Marília (FAMEMA)
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.date.accessioned2016-07-07T12:35:05Z
dc.date.available2016-07-07T12:35:05Z
dc.date.issued2012
dc.description.abstractThe hours of working for the professionals of the health and mainly for the nursing has constituted one of the factors that come fomenting the quarrel concerning its interference in the results and the quality of the given services, in reason of being exhausting. The objective was to compare the hospital pointers in two distinct periods: one, with hours of working of the nursing of 6 hours and another one, with 12 hours. Quantitative, analytical, retrospective and comparative study was performed. It was shown that the pointers of fall, number of deaths and average of hospital permanence had presented lower indices in the period where the institution adopted the day of 6 hours; and, when it adopted the day of 12 hours, had a growth of 126% in the number of falls and 27.6% in the deaths. Long hours of working for the nursing intervenes with the results of some hospital pointers, for reflecting directly in the quality of the care to the user and in the security of the worker.en
dc.description.abstractA jornada de trabalho para os profissionais da saúde e, principalmente, para a enfermagem tem constituído um dos fatores que vêm fomentando a discussão acerca de sua interferência nos resultados e na qualidade dos serviços prestados, em razão de ser exaustiva. O objetivo foi comparar os indicadores hospitalares em dois períodos distintos: um, com jornada de trabalho da enfermagem de 6 horas, e outro, com 12 horas. Foi realizado estudo quantitativo, analítico, retrospectivo e comparativo. Demonstrou-se que os indicadores de queda, número de óbitos e média de permanência hospitalar apresentaram índices mais baixos no período em que a instituição adotava a jornada de 6 horas; e, quando adotava a jornada de 12 horas, houve um crescimento de 126% no número de quedas e 27,6% nos óbitos. Jornadas de trabalho longas para a enfermagem interferem nos resultados de alguns indicadores hospitalares, por refletirem diretamente na qualidade do cuidado ao usuário e na segurança do trabalhador.pt
dc.description.affiliationUnespUniversidade Estadual Paulista, Departamento de Enfermagem, Faculdade de Medicina de Botucatu
dc.format.extent11-18
dc.identifierhttp://www.cqh.org.br/portal/pag/doc.php?p_ndoc=267
dc.identifier.citationRAS. Revista de Administração em Saúde, v. 13, n. 54, p. 11-18, 2012.
dc.identifier.issn1519-1672
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11449/140707
dc.language.isopor
dc.relation.ispartofRAS. Revista de Administração em Saúde
dc.rights.accessRightsAcesso restrito
dc.sourceCurrículo Lattes
dc.subjectNursingen
dc.subjectWork hoursen
dc.subjectIndicatorsen
dc.subjectHealth personnel managementen
dc.subjectEnfermagempt
dc.subjectJornada de trabalhopt
dc.subjectIndicadorespt
dc.subjectAdministração de recursos humanos em saúdept
dc.titleA interferência da jornada de trabalho na qualidade do serviço: contribuição à gestão de pessoaspt
dc.title.alternativeInterference of the day working on the quality of service: contribution to the people managementen
dc.typeArtigo
unesp.author.lattes2749002390005883[2]
unesp.author.orcid0000-0002-3734-2317[2]
unesp.campusUniversidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina, Botucatupt
unesp.departmentEnfermagempt

Arquivos