Técnicas convencionais de radioterapia em tumores de cabeça e pescoço

Resumo

Introdução: Os tumores de cabeça e pescoço (CP) correspondem a 0,12% da população local e 7,2% dos casos submetidos à radioterapia no Serviço de Radioterapia da Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu. Objetivos: Analisar a incidência e as técnicas de radioterapia aplicadas em tumores de CP no Serviço de Radioterapia da FMB no período de 2007 a 2011. Métodos: Foram analisados 3.059 prontuários de pacientes, dentre estes, 221 apresentaram tumores de CP, sendo 85% dos casos tratados no acelerador linear (energia de 6 MV) e 15% na Unidade de Cobaltoterapia. Resultados: A média da dose diária de radiação foi 180 cGy, liberadas em 25 frações, após as quais são aplicadas mais 10 frações em campo reduzido para preservação da medula cervical. A técnica de isocentro foi utilizada em 61% dos casos tratados e em 39% utilizou-se a técnica de distância fontepele. A técnica emprega dois campos laterais na região cervicofacial (CF), com distância laterolateral (DLL) entre 8,0cm a 16,0cm, e a irradiação da região ganglionar supraclavicular, com dose preconizada na região de build’up. A imobilização é garantida com máscara termoplástica indicando a área de radiação. As características radiométricas dos campos determinam a unidade monitora entre 106 e 120 UM para os campos CF. Conclusão: O Serviço de Radioterapia da UNESP de Botucatu é a única opção da região para atendimento dos pacientes assistidos pelos sistemas públicos de saúde. A análise mostrou que os pacientes atendidos não relataram efeitos colaterais agudos, indicando que as técnicas empregadas garantem a qualidade da terapêutica.

Descrição

Palavras-chave

Como citar

Revista Brasileira de Cancerologia, v. 59, n. 1, p. 127-127, 2013.