Recuperação ambiental e estética de áreas degradadas

Nenhuma Miniatura disponível

Data

2001

Orientador

Coorientador

Pós-graduação

Curso de graduação

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Tipo

Resumo

Direito de acesso

Acesso abertoAcesso Aberto

Resumo

Aspectos Gerais do Trabalho: A utilização dos recursos naturais para os mais diversos fins e a consequente degradação dos mesmos, trouxeram a evolução de uma consciência ecológica e muitas providências por parte das autoridades criando-se uma série de instrumentos legais, conforme se observa pela atual legislação ambiental brasileira, que é uma das mais amplas do mundo. A recuperação ambiental e proteção dos entornos de represas, que envolve principalmente a utilização do recurso natural água, também estão definidas em Lei como se observa no artigo 2º, letra a, da Lei no. 4.771 (alteraa pela Lei nº. 7.803) em conjunto com a Resolução nº. 4, de 18 de setembro de 1985, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), consideram de preservação permanente e reservas ecológicas, respectivamente, as florestas e demais formas de vegetação natural situadas ao longo dos rios ou de qualquer curso d'água desde o seu nível mais alto ou além do leito maior sazonal, medido em faixa marginal. Esta vegetação localizada em faixa marginal aos cursos d'água recebe a denominação de "área ripária", ou "área ciliar", tem sido utilizada por alguns autores para caracterizar tanto a porção do terreno que inclui a ribanceira do rio propriamente dita, como também a planície de inundação, com suas condições edáficas próprias, e a vegetação que aí ocorre ( a mata ripária ou ciliar). O conjunto, portanto, ou seja, a área, a mata e a vegetação associada, o piso florestal e as interações com o meio, poderia ser chamado de ecossistema ripário. A largura desta área ripária, portanto da faixa de mata ciliar, deve, é claro, variar com as condições da bacia hidrográfica.. As larguras mais comumente consideradas como próprias variam de 12 a 30 m de cada lado do canal. Contudo, esta faixa marginal de proteção pode chegar até os 600 metros, de acordo com a Lei no. 4.771 (alterada pela Lei nº. 7.8030). Com respeito a faixa de proteção ao redor das lagoas, lagos ou reservatórios d'água naturais ou artificiais, a legislação define o seguinte: n de 30 metros para os que estejam situados em áreas urbanas; n de 100 metros para os que estejam em áreas rurais, exceto os corpos d'água com até 20 hectares de superfície, cuja faixa marginal será de 50 metros; e, n de 100 metros para as represas hidrelétricas. De acordo com os pesquisadores da área, o ecossistema ripário de proteção desempenha sua função ecológica e hidrológica através das seguintes formas: estabilização dessa área crítica, pelo desenvolvimento e manutenção de um emaranhado radicular, protegendo o solo contra a erosão e o curso d'água contra o assoreamento; tampão e filtro entre os terrenos mais altos e o ecossistema aquático; diminuição e filtragem do escoamento superficial impedindo e dificultando o carreamento de sedimentos para o sistema aquático; integração com a superfície da água, proporcionando cobertura e alimento para peixes e outros componentes da fauna aquática; intercepta e absorve radiação solar, contribuindo para a estabilidade térmica dos pequenos cursos d' água. Com a finalidade de se realizar a recuperação ambiental e adaptação à legislação ambiental brasileira nos entornos das represas existentes no Condomínio Ibiti, cujas áreas destas somam aproximadamente 5,08 há , foi proposto e implantado o projeto denominado "Recuperação Ambiental do Ibiti", cujos objetivos envolveram a reposição vegetal das áreas marginais das represas, abordando-se nesse programa de melhoria da paisagem, tanto os aspectos relacionados a vegetação de caráter ornamental como aquela de preservação ambiental que interagem na recuperação florística da região. Desenvolvimento do Projeto: Quanto aos aspectos ambientais, que envolveram a recuperação florística, do solo e água; o projeto desenvolveu-se através da combinação de 55 espécies diferentes em sua grande maioria nativas, associando espécies pioneiras (crescimento rápido) , secundárias (crescimento com velocidade intermediária) e clímaxes (crescimento lento), ou seja aspecto relacionado à sucessão ecológica secundária, além disso levou-se em consideração as características ecofisiológicas das plantas, ou seja a adaptação das plantas quanto às características climáticas e edáficas (solo) de tal forma que as plantas se desenvolvam melhor em função de sua adaptação ao clima local, ao teor de nutrientes e de umidade do solo, e finalmente, utilizou-se também de plantas frutíferas atrativas para a fauna silvestre tanto de pássaros, abelhas, pequenos mamíferos e peixes. O plantio foi realizado no espaçamento 3 x 3 metros limitando-se a uma faixa marginal de 30 metros e, realizando-se adubação e calagem da seguinte forma: CALAGEM: aplicação de 2,0 kg/cova de calcário dolomítico. ADUBAÇÃO DE FORMAÇÃO: aplicação, por cova, em mistura com terra de superfície, 600g/cova da fórmula 10-10-10, 3,0 g de Bórax e 3,0 g de sulfato de zinco/cova e 20 litros/cova de esterco de curral. Aplicação por três vezes de 40g de uréia em cobertura 60,90 e 120 dias após plantio. No projeto executou-se o plantio de espécies de caráter ornamental nos trechos mais próximos às represas, de tal forma que em continuidade a essas plantou-se as espécies nativas de proteção. O estilo paisagístico escolhido para o plantio das espécies ornamentais, foi o tropical Paisagístico de Burle Marx, referência mundial em paisagismo, de adequação plena à região do parque Ibiti, área originalmente pertencente ao Complexo da Mata Atlântica. Foram dezenas de espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas ornamentais, em sua maioria, pertencentes à flora brasileira, introduzindo também, algumas espécies exóticas adaptadas, que comporão uma macropaisagem de grande valor estético e protecionista do ambiente, devido à maior proteção do solo; diversidade biológica e recomposição de mata ciliar. Para o plantio das plantas ornamentais realizou-se o mesmo procedimento de calagem e adubação descrito para as espécies nativas. O ponto alto do Paisagismo ornamental coube à coleção de palmáceas e musáceas nativas brasileiras, e outras exóticas, de reconhecidos valores estéticos e funcionais, compondo ambiente de grande conforto visual e ambiental; tipicamente tropical.

Descrição

Palavras-chave

Idioma

Português

Como citar

Itens relacionados

Financiadores